quinta-feira, 28 de maio de 2015

NOVOS TIPOS DE SCOTERS BY JLV



Scooters de três e quatro rodas
A engenharia suíça, famosa pela sua precisão, está oferecendo agora duas soluções para a instabilidade de veículos de duas rodas, scooters e motocicletas.
O conhecido esquema Quadro de três rodas está sendo substituído por um desenho com cinco anos de desenvolvimento chamado Hydraulic Tilt System, HTS, sistema hidráulico de inclinação, com a inovadora trava hidráulica de inclinação.

O HTS pode ajustar seu comportamento de acordo com as condições de piso, garantindo características de estabilidade mesmo nas mais difíceis condições. O HTS equipa as duas rodas dianteiras, permitindo sua inclinação simultânea e garantindo fluidez, precisão e posição estável mesmo em momentos de pobre equilíbrio, causados por buracos, corcovas, trilhos de bondes e poças.
A partir de junho próximo haverá um sistema HTS de quatro rodas, cujas rodas, uma em cada canto, levarão estabilidade, agilidade e segurança a novos níveis.
O Quadro4 utiliza quatro freios a disco de 240 mm de diâmetro para frear em curvas e superfície desniveladas, sem prejudicar o equilíbrio do scooter ou diminuir a capacidade de agarrar o piso em baixo.
Tanto o Quadro 3 e o 4 vêm equipados com motor OHV monocilíndrico quatro válvulas de 346 cm³ de 27 hp a 7.000 rpm e 25,2 Nm a 5.500 giros.
O Quadro 4 é o primeiro scooter de tração em duas rodastraaseiras do mundo. 

Veja o vídeo:

DE CARRO POR AÍ COM O NASSER



Coluna 2215            27.maio.2015                      edita@rnasser.com.br





Sedã esportivo, o Mercedes C AMG 63

Pode-se dizer, o Mercedes-AMG C 63 S, é o melhor dos mundos ao combinar 

características aparentemente inconciliáveis e distantes: habilidades receptivas 

de sedã em três volumes, e a determinação dinâmica de esportivos sérios. Para 

entender, decupando, Mercedes fabrica a casca básica de sua família Classe C, 

o degrau inicial de quem gosta de tração traseira; AMG, empresa associada, 

desenvolvedora da mecânica forte e performática, por uso de porcas, parafusos 

e metais corretos, mais enorme parafernália eletrônica; 63 indica o motor V8, 

4.000 cm3, 510 cv, dois turbos alojados no vale entre os cabeçotes. O S aponta 

coisa superior. Na prática um sedã e suas habilidades, com o rendimento de 

esportivo: 0 a 100 km/h em 4s e velocidade final cortada a 290 km/h. É o novo 

motor top da Mercedes, criado a partir de uma folha – ou uma tela em branco 

para conter cilindrada, reduzir peso, consumo, emissões e obter elevada 

potência. O 63 indicado vem daí, com rendimento assemelhado ao antigo motor 

top da marca, o V12 com 6,3 litros de cilindrada.

Como é

Muito alumínio, pirotecnia em aços nobres, puros, mesclados, estampados a frio 

ou a quente, dependendo do local de aplicação, e muita eletrônica para tornar 

condução segura a pessoas comuns. Amplos detalhes: injeção piezelétrica 

forma a mistura ar combustível e injeção por aspersão; segundo radiador na 

caixa de roda para resfriar o calor gerado pela produção tantos cavalos de 

força. Muitos itens mais, entretanto o gestor de capital apto a desembolsar uns 

R$ 536 mil – equivalendo a US$ 210 mil – pelo mercediano dólar cotado a 

USD$1 = R$ 2,6, não terá paciência para listar todos os detalhes, ou medir o 

retorno performático ao investimento. Quererá estar no Mercedes C, apto a 

igualar ou superar suas demandas em acelerar, curvar, frear. E sentir a 

ambiência, como o som do motor, dependendo do modo de transmissão. Na 

parte conforto, coxins dinâmicos para o motor, novidade vinda do esportivo 

AMG-GT. Eles mudam a rigidez dependendo das condições de rodagem e do 

estilo de condução. Gostará disto e de ter sob controle o motor com assinatura 

autoral do engenheiro montador.

Presa ao motor, transmissão esportiva Speedshift, com sete velocidades. Nos 

modos "Sport +" e "Race", é mais rápida, e permite 4 modos de condução 

"Comfort", "Sport", "Sport +" e "Race", definindo o momento da troca das 

marchas, se o motorista está afim de transporte confortável, ou se vai pedir 

brio à cavalada. Na parte inferior, outra mudança é a regulagem da suspensão 

rica em alumínio, três níveis.

Os modos de transmissão definem o momento de troca das marchas, e as 

características de dirigibilidade do veículo. O conjunto ainda bonifica os adeptos 

do Green Lamp Grand Prix – a arrancada na luz verde -, ou sair da cabine de 

pedágio. Nesta hora, chamado à função Race Start, por si só aumenta as 

rotações da marcha lenta, à espera do motorista aliviar o pé esquerdo do pedal 

do freio, e apertar o acelerador com vontade, praticando arrancada para louvar-

se e impressionar olhos e ouvidos alheios. Pé esquerdo no freio? Sim, apesar da 

opinião contrária de alguns instrutores de autoescolas, certo é usá-lo para frear 

e o direito para acelerar.

O MAIOR UNIMOG BY JLV



Unimog extremo pesa 14,5 toneladas

O U 5023 é o primeiro modelo da série extrema off-road a ser apresentado com equipamentos para serviços de socorro e assistência.

Os organizadores da feira municipal de Demopark em Eisenach (21 a 23 de junho) mostram os equipamentos e implementos hidráulicos mais modernos, como os limpadores de lixo no piso e de neve, além de assistência e recuperação em áreas inundadas, onde sua capacidade de vadeamento de até 1,20 m faz uma enorme diferença.

O modelo Unimog U 5023combina seus mais diversos equipamentos básicos com as vantagens dos veículos off-road chamados extremos. Além de sua capacidade de vadear em águas razoavelmente fundas, há um sistema de controle de pressão dos pneumáticos e alta capacidade de carga, além do alto volume de material coletado – três metros cúbicos.



JOSÉ KUIZ VIEIRA - http://www.techtalk.com.br/

TOYOTA HILUX 2016



 Foi lançada na Tailândia a nova versão da Hilux: tem mecânicas se melhnetes com uma diferença. ao menos no mercado tailandês: diferenciais travantes. Muita coisa nova no interior. ficha técnica pelo Autoblog argentino.

COMRIMENTO: 5.335 mm (antes 5.260 mm)
LARGURA: 1.855 mm (antes 1.835 mm)
ALTURA: 1.820 mm (antes 1.860 mm)
DISTANCIA ENTREEIXOs: 3.085 mm (não variou)

haverás dois motores novos a Diesel de 2,4 e 2,8 litros com 150 cv e 170 cv. ao menos no mercado deles, bem como caixas manuais de seis marchas e oito marchas. 
O 2,4 terá turo de geometria variável com 150 cv e 340 NM com auto de seis marchas e 400 com caixa manual de cinco. O outro motor terá 2,7 litros e turbo vsr[avel com 450 NM. com caixa de oito marchas automáticas. 
NUEVA-HILUX-2016-18





segunda-feira, 25 de maio de 2015

ALFA ROMEO:A PRIMEIRA VITÓRIA NA FORMULA UM


File:1950-british-gp-giuseppe-farina-alfa-romeo-158.jpg


Há  pouco maais dee 65 anos, no fis 13 de Maio fr 1950 quatro Afettttas Tiipo 159 venceram a primeira etaapa do moderno  Campeonato de Fórmula 1 em Silverstone, na    seguinte ordem: Guseppe  'Nino" Farina, Luigi Fagioli, juan Manuel Fangio eReg Parnell. a F1 começava a converter´se no moderno espetáculo máximo do nosso esporte.
Farina não só venceu como conseguiu a volta mais rápida da corrida como obteve a pole position e a vitória, como também foi o primeiro campão mundial de Formula UM de 1950.

.
“Nino” Farina no sólo consiguió la pole position y la vuelta más rápida en carrera; también vio antes que nadie la bandera a cuadros, escoltado por dos de sus coequipers que completaron un podio todo Alfa. El trío Farina, Fangio, Fagioli dominaría a voluntad el resto de las carreras del campeonato, llevándose todas las carreras (excepto las 500 Millas de Indianápolis donde no participó ningún equipo europeo).

En aquella carrera de Silverstone, el Rey George VI fue el encargado de hacer flamear la bandera a cuadros en la meta y procuró luego saludar a todos los integrantes del dominante equipo italiano.
a Alfetta fue desarrollada en el año 1938, pero tuvo que esperar nuevos tiempos de paz y prosperidad en el mundo para demostrar todo su potencial. De los 195 HP que erogaba la versión original, presentó en el GP de Silvertone 1950 todas las evoluciones técnicas que le permitían disponer de 300 caballos en su motor de 8 cilindros en línea y 1.5 litros sobrealimentado.
El 158 evolucionó luego en el 159 con supercargador de dos etapas y desarrollos que le permitieron a “El Chueco” disponer de 425 caballos bajo su pesado pie derecho para la temporada 1951. Luego del segundo título de pilotos conseguido en forma consecutiva (el de marcas se instituyó a partir de la temporada 1958), Alfa Romeo se retiró de las carreras para dedicarse a aplicar todos los conocimientos heredados de la competición en algunos de sus modelos de producción más emblemáticos.

via autoblog argentina