sábado, 31 de janeiro de 2015

ALTA RODA COM FERNANDO CALMON



Alta Roda nº 821 — Fernando Calmon — 27/1/15





EMPURRAR COM A BARRIGA





Uma das características menos virtuosas que um povo deve evitar é adiar decisões. Os governos do nosso país parecem cultuar com fervor um velho ditado da política – ilustrado no título desta Coluna – que pode até ser moderadamente aplicado por razões momentâneas. Quem desconhece a lei que não “pega” ou, pior, a lei sem regulamentação e, portanto, de efeito prático nulo? Sem contar a proibição de algo com ausência de penalização que se transforma em letra-morta.
Neste começo de ano, apenas no setor automobilístico, há pelo menos 10 pendências que migraram de 2014 ou mesmo de mais de uma década atrás. É a cultura insuportável da postergação sem fim.
  • Inspeção técnica veicular (ITV), que inclui segurança e emissões simultaneamente, já deveria estar implantada na maioria dos Estados há quase duas décadas. ITV em bases sérias e não apenas pró-forma vem sendo postergada em jogo de empurra entre Executivo e Legislativo federais.
  • Inspeção veicular ambiental em São Paulo foi temporariamente suspensa há dois anos. Apesar das promessas da prefeitura de que voltaria em 2014, até agora nada. A reformulação de periodicidade e a frota inspecionável estão corretas, mas não o adiamento.
  • Obrigatoriedade de troca do quase inútil extintor de (princípio) de incêndio para o novo tipo de pó (ABC) foi anunciada há cinco anos para 1º de janeiro de 2015. A data chegou e... tome mais 90 dias de prazo. Para que serviram os outros 1.825 dias?
  • Decidiu-se lançar no seu registro de licenciamento anual, a partir de 2014, os veículos que não atendessem aos chamados para troca de peças defeituosas ligadas à segurança. Muitas vezes o motorista esquece, adia ou não pôde ser informado. Alegação para não implantar: informações pouco robustas...
  • Dez entidades e sindicatos do setor automobilístico, em novembro de 2013, propuseram ao governo federal um programa de substituição de caminhões com mais de 30 anos de uso. “Em estudos, por falta de recursos”, espera-se um programa-piloto este ano.
  • Instalação compulsória (contratação do serviço, opcional) de rastreadores em todos os tipos de veículos novos já se adiou por quatro vezes. Exigência descabida e sem eficiência para inibir furtos e roubos, acredita-se que será revogada depois de só causar prejuízos.
  • Passou 2014 e nem o Contran e nem os fabricantes avançaram na proposta de itens de segurança de baixo custo com prazo de até cinco anos: fixação Isofix para bancos infantis, cintos retráteis no banco traseiro, monitoramento de pressão de pneus (via ABS) e controle de estabilidade (ESC).
  • Governo Federal induziu, ano passado, a melhoria no consumo relativo de etanol (ponto de equilíbrio de 70% para 75% frente à gasolina) em motores flex. Sem estímulos anunciados até agora, ninguém se mexeu.
  • Também de novembro de 2013 é a proposta de aumento de exportações. O Brasil já perdeu para o México, em 2014, a sétima posição na classificação mundial de maiores produtores justamente por exportar menos. Programa Exportar-Auto ainda se arrasta na esfera federal.
  • Contran precisa, por meios estatísticos, revisar dados inflados em cerca de 30% da frota nacional de veículos. Parece que há a intenção, mas nunca sai do papel. Até quando?

RODA VIVA

BRIGA pela posição de hatch mais vendido em 2014 entre Fiat e Volkswagen (Palio+Palio Fire x Gol), em que a primeira levou a melhor, se estendeu ao ranking dos mais econômicos neste início de ano. Segundo o Inmetro, o VW up! venceu entre carros com ar-condicionado e direção assistida, seguido pelo Uno Evolution e Ka. Entre os 10 primeiros, dois modelos da Fiat e dois da VW.
NOVENTA anos da GM no Brasil foram marcados com inauguração esta semana do novo centro logístico de abastecimento dentro de sua fábrica mais antiga, a de São Caetano do Sul (SP). Área que estoca 4.000 itens de peças, além de gerenciamento de conceito avançado para a indústria, surgiu da “desconstrução assistida” de velhos galpões existentes há décadas.
PEUGEOT RCZ é daqueles carros esportivos derivados de arquitetura de alta produção (no caso, o 308) que impressionam aonde chegam. Cupê de 2+2 lugares tão ousado como Audi TT, tem direção e suspensões de calibragem mais firme que estimulam uma tocada rápida, mas responsável, e inclui aerofólio autorregulável com a velocidade. Para seus 165 cv tem preço bem razoável: R$155.090.
SAIU o ranking dos 10 modelos mais vendidos na Europa em 2014, segundo a Focus2Move. Mais uma vez Golf venceu por margem de 66% sobre o segundo, Polo. Depois, vieram Clio, Fiesta, Corsa, Focus, (Nissan) Qashqai, (Skoda) Octavia, 208 e Astra. Pela primeira vez aparece um carro da Skoda e nenhum da Fiat.
CORREÇÃO: Na classificação dos veículos de maior venda no Brasil em 2014, tabulada pelo critério desta Coluna, Jeep Grand Cherokee foi reclassificado como SUV grande e se posicionou em terceiro lugar, atrás de Pajero Full+Dakar e Edge.
____________________________________________________

fernando@calmon.jor.br e twitter.com/fernandocalmon

CARRO DE ESPUMA DE BORRACHA BY JLV


Carro de espuma de borracha 
Essas três palavras estão em todas as propagandas do carro Spira4u (com a fala em inglês misturada com chinês, significando espiral para você), e entrou em produção numa fábrica muito curiosa. Sua estrutura tricíclica é toda em compósitos em forma de favo de mel e pode receber um esquema 100% elétrico, um trem de força híbrido ou ainda um motor de combustão interna.

Com um roda na frente e duas atrás, apenas um banco e um sistema de direção por triângulo (barra em V invertido que ‘agarra’ a roda dianteira), o carro é anunciado como muito melhor do que os outros do ponto de vista de segurança passiva, graças à suas extraordinárias (dizem) características de absorção de choques.

O carro foi pensado alguns anos atrás e agora seu designer, Lon Ballard, resolveu colocá-lo em produção na China, em que seu nome soa tão estranho como qualquer outro. 
Com motor de combustão interna, de moto de 150 cm³, ele é mais barato mas com o tempo acaba sendo mais caro pelo custo do combustivel.

Com motor elétrico de 10 kW e um pacote de bateria de 72 ampères, ele custa US$ 9.000 e tem alcance de 220 km. Se alguém precisa de mais potência, tanto a bateria como o motor podem ser duplicados (mais US$ 3.500). 



http://www.cargaetransporte.com.br/


AIXAM, O SAFA ONÇA...

Existe na França e alguns outros países uma classe de automóveis equiparada a um ciclomotor: não precisa de carteira para dirigir. A única restrição é ter mais de 16 anos. Normalmente ele tem dois lugares e menos de três metros de comprmento fazendo um Ka antigo parecer enorme. Os motores são de 500 cm³ e dois cilindros, com mais ou menos 20 CV, câmbio CVT e 90 por hora de final. Uma espécie de Smart menos sofisticados e caros. Servem muito para não ficar a pé quando os pontos da carteira estão pra lá de Bagdá. 
A  Aixam  é líder nesse mercado e está fabricando desde os anos 80. Atente para o esqueleto de tubos que reforça a carroçaria e a atual sofisticação do painel, com até GPS  opcional. Existe também um furgão urbano bem interessante        


sexta-feira, 30 de janeiro de 2015

JLV E OS AIRBAGS MORTAIS


Takata e air bags

A Takata, segunda maior produtora de airbags do mundo, espera que já tenha prontas todas as peças necessárias para substituir 1,08 milhão de airbags de motoristas e 3,05 milhões de airbags para passageiros no Japão até junho, de acordo com a ordem do ministério japonês de Terra, Infraestrutura, Transporte e Turismo. 


No total, a empresa está envolvida num enorme recall de mais de 20 milhões de veículos espalhados pelo mundo inteiro. Ela ainda espera determinar a causa exata do problema que acontece com infladores de air bags, que em alguns casos têm espalhado estilhaços (tipo granada) com força suficiente para matar. 



Já há casos de morte relatados em vários pontos do mundo, mas a razão principal (além da necessária colisão) parece ser a da inflação em locais extremamente quentes e úmidos.

OFF: UM VIOLEIRO GENIAL!

video

Esse som fininho de viola campeira me recorda noites na estrada ao som de um crepitante radio AM sintonizado nas rádios do interior, do final do sertão. Um mundo de musica às vezes lamentosa que embalava as noites de amor ao asfalto, ao feitiço de viajar longe.. Que saudade desse tempo!
E o ,cara é um mestre, um grande artista, um super violeiro!