sexta-feira, 31 de julho de 2015

O NOVO RENAULT OROCH

ALTA RODA COM FERNANDO CALMON



Alta Roda nº 847 — Fernando Calmon — 28/7/15






TSI: BEM MAIS QUE A SIGLA





Desde o final de semana passada, com a chegada do up! TSI, o Brasil tem pela primeira vez um automóvel mais avançado tecnologicamente em termos de motor que o mesmo modelo comercializado na Europa. Em regra, o País vai a reboque de países centrais ou, em alguns poucos casos, até recebe primeiramente um novo modelo com alguns meses de antecedência.
No caso do produto de entrada da Volkswagen, além de reconhecido como primeiro turboflex fabricado no Brasil (os da BMW e PSA Peugeot Citroën são importados), nem na Europa essa motorização – no caso apenas a gasolina – está, por ora, disponível. Na realidade, a própria VW já produziu motor 1-litro turbo (gasolina), a exemplo deste, para Gol e Parati entre 2000 e 2002 focado em desempenho.
Entretanto, o TSI faz o casamento perfeito entre injeção direta e turbocompressor (antes a injeção era indireta) dentro do conceito moderno de aumentar o desempenho e simultaneamente obter menor consumo de combustível. De maneira simplificada, oferece potência 28% maior, 105 cv, e torque 61% superior, 16,8 kgfm (ambos os valores com etanol). Ainda assim, consegue economia de etanol e gasolina de cerca de 6% e se transformou no modelo de menor consumo do País. Aliás, só perde para automóveis híbridos com motores a combustão e elétrico.

DE CARRO POR AÍ COM O NASSER



Coluna 3015         29julho.2015                      edita@rnasser.com.br 
Telefone pareado ? Podem dirigir seu carro por você !
Nos EUA dois hackers, um deles ex da midiaticamente famosa National Security Agency, a grampo-mundi, apostaram com o jornalista Andy Greensberg, da revista Wired, acessar os controles de seu carro via telefone celular.
Ante a dúvida e o receio, o jornalista foi com seu Jeep Cherokee 2014 para uma estrada em St Louis.  Telefone celular pareado via Blue Tooth, automóvel andando, os hackers Charlie Miller e Chris Valasek, de casa e com um lap top, entraram nos comandos do Cherokee. Ligaram o rádio, variaram o volume, acionaram os limpadores de para brisas, seu lavador – e desligaram o motor com o carro percorrendo a estrada – e, por invasão no sistema de ABS, deixaram-no sem freios.
Depois, em área de estacionamento, mostraram ser possível controlar o volante quando engrenado em marcha a ré – intrusão pelo sistema Park Assist, de manobrar o carro em vagas; e desligar o sistema de freios.
O desafio dos hackers faz parte de um trabalho a ser apresentado em conferência de segurança eletrônica em agosto, na cidade de Las Vegas.
Proteção
Contataram a FCA, fabricante do Cherokee, e auxiliaram criar antídoto contra a vulnerabilidade permissora da invasão através do sistema utilizado pela FCA, o Unconnect. O sistema conecta o veículo por celular à Internet e está nos veículos Jeep, Chrysler e RAM.
Em velocidade de terror, cinco dias após o evento, a FCA fez chamada para atualização de software, oferecendo desenvolvimento em segurança e comunicação eletrônica, apto a ser baixados para bloquear as invasões.
Futuro
Questão não se limita às marcas FCA, e ao momento outros hackers devem tentar meios de interferir na infoeletrônica dos veículos de todas as marcas. Os de nível superior, com maiores facilidades eletrônicas, possivelmente liderarão os recordes de tentativas de intervenção.
É uma das novidades do convívio com a Internet, e muitas histórias rolarão enquanto fabricantes, fornecedores do equipamentos de infotainment – a mescla de informação com entretenimento -, governos, companhias de seguro, não conseguirem apoiar e desenvolver um bloqueio às invasões.
Segundo Rafael Linhares, especialista em rede de dados junto ao Governo Federal, a melhor solução a ser adotada pelo proprietário de veículo com capacidade de conexão com a Internet, é programa de atualização. “- Da mesma forma que devemos manter atualizados nossos equipamentos de computação, estes agora estão embarcados nos automóveis e requerem o mesmo cuidado. Anti vírus e firewalls passarão a fazer parte do pacote de atualização dos softwares que compõem as soluções tecnológicas dos automóveis "top de linha". Assim como necessárias as execuções dos re call, passa a ser vital a atualização de tais sistemas operacionais."

30/8 ENCONTRO DA VILA MILITAR

Exibindo FOLHETO (1) logo carro.jpg

quinta-feira, 30 de julho de 2015

OS 50 ANOS DO LAMBORGHINI


OS ´PROTAGONISTAS DO PROGRAMA WHEELER DEALERS, QUE COMPRAM CARROS PARA DAR UM TAPA E VENDER COM LUCRO DESSA VEZ COMPRARAM UM LAMBORGHINI "PEQUENO" NA POLÔNIA QUE NÃO FUNCIONAVA.
AQUELAS COISAS,EMBREAGEM MORTA,  FREIO TRAVADO, CORREIAS DE DISTRIBUIÇÃO ACABADAS E POUCA COISA A MAIS. COMO SÃO AFISSURADOS COMO NÓS, QUANDO O CARRO ANDOU, FUNCIONOU BEM E ELES FORAM AO ANIVERSÁRIO DA LAMBO EM BOLONH PARA OS 50 ANOS DA LAMBO. O CARROS [E UM P250 DE 2,5 LITROS, 220 CV E 220 KM/HORA, 0-100 EN 7 SEGUNDOS COM UMA COR BEM ANOS 70.
PROGRAMA DIVERTIDO PARA QUEM GOSTA DE MECÂNICA

quarta-feira, 29 de julho de 2015

O NOVO CHEVROLET CRUZE BY JLV

O Novo Cruze mostrado nos EUA
Na semana passada, a Chevrolet mostrou no teatro Filmore de Detroit o novo Cruze, carro que vem vendendo muito bem nos Estados Unidos na categoria de carros, categoria esta que vendeu 2,1 milhões de unidades de todas as marcas no ano passado e, até maio deste ano, já vinha vendendo 4,4% a mais.

A grande vantagem do novo modelo é seu motor 1.4 EcoTec turbinado, 20 kg mais leve que o 1.8 que equipa este carro aqui no Brasil. Seu bloco de alumínio fundido sob alta pressão e uma cama do mesmo material garantem a resistência apesar do baixo peso. Um cabeçote igualmente em alumínio integrado a um múltiplo de escape, reduz ainda mais o peso. A injeção direta e o comando variável das válvulas, tanto de admissão como de escape, mais a corrente com tensionamento hidráulico e o virabrequim em aço forjado, levam o quatro-em-linha a certificados 153 hp de potência e 133,6 Nm de torque com gasolina americana comum.


A tecnologia start-stop é padrão e traz uma economia de três a cinco por cento no consumo urbano.

A nova transmissão automática de seis velocidades é 12 kg mais leve do que a usada no Cruze atual. A nova caixa, aliás, é 11 kg mais leve que a anterior e cabe praticamente no mesmo espaço ocupado por uma caixa automática antiga de quatro marchas.



JOS[E LUIZ VIEIRA - WWW.TECHTALK.COM.BR

PNEU SEM AR BY JLV




Pneus sem ar 

Pneu, ou pneumático, tem este nome porque é cheio (ou mais ou menos) de ar. Alguns têm uma estrutura lateral fortíssima, já sendo perfeitamente capazes de andar mais ou menos indefinidamente sem ar, embora com restrições de velocidade. 
Há muitos anos, porém, o sonho de um pneu (ou roda cheia de ar) sem esta restrição de velocidade ou de peso já parece ter sido alcançado e estar relativamente perto de ser lançado ao mercado normal. 
A Hankook americana está em sua quinta geração de protótipos de pneus sem ar (vamos chamá-los de rodas sem ar, está bem?) e eles (elas) trazem uma série longa de benefícios ambientais em relação aos pneumáticos convencionais.

As rodas iFlex usam em sua construção um material diferente do convencional, mais eficiente do ponto de vista energético na manufatura (número de etapas menor) e mais fácil de reciclar. 
Nos testes, o iFlex passa por cinco categorias diversas: durabilidade, agilidade, dureza, estabilidade e velocidade. As mulas (carros de teste) usadas são elétricas, andam tranqüilas a 130 km/h e dão os mesmos resultados dinâmicos dos pneumáticos convencionais.
A Hankook não está sozinha no estudo das rodas sem ar. A Michelin francesa abriu uma planta americana dedicada à produção da Tweel e a Bridgestone vem testando rodas recicláveis infuráveis em veículos monoplace (um só lugar) japoneses, geralmente utilizados por pessoas de terceira idade. 
Os fabricantes vêem um potencial enorme nessas rodas sem ar.

JOS[E LUIZ VIEIRA - WWW.TECHTALK.COM.BR