sábado, 28 de fevereiro de 2015

MAS O PREÇO NÃO BAIXA...

Brilhante, bonito e novo… e rapidamente enferrujando e inútil.

c18f27f446d0a157bd0ffabe466a4d8c_650x

Esta foto é de um monte de carros que sobraram no Porto de Sheerness em Kent, na Inglaterra. Há centenas de lugares exatamente como este no mundo todo, cheio de carros que as montadoras não conseguiram vender.

Isso é verdade. Você está vendo uma das muitas reservas de carros não vendidos no mundo.

9eb8c1ae381efe934ea5b135c60381aa_650x

As pessoas não estão comprando carros no mesmo rítmo de antes da recessão. Quantas famílias que você conhece que ostentam um carro novo a cada ano? Por isso, milhões de carros ficam para morrer nos estacionamentos.

Baltimore, Maryland, EUA.

d0ac5118153351bc31c83079a24c0c4b_650x

Bem do lado da estrada Broening em Baltimore, mais de 57.000 carros se encontram num enorme estacionamento. No começo eu me perguntava porque eles não colocavam simplesmente à venda, mas a indústria automobilística não vai reduzir seus preços drásticamente por uma razão: Não é possível vender um carro por 500 dólares e esperar alguém comprar por 15.000 é impossível.
9b03312f69fb72605e564d16ac3f1821_650x


Os carros devem ser levados de um monte de concessionárias para dar espaço para a nova produção. O que sobra é um pouco triste… filas e mais filas de carros em perfeito estado.
c2ca7c70d9b33fec8c5331c368bdb29e_650x


A indústria automobilística não pode simplesmente deixar de produzir carros novos. Isso significaria o fechamento de fábricas e demitir a dezenas de milhares de pessoas, além do mais, piorar a recessão. O efeito dominó seria catastrófico para a indústria do aço.
39de653b75bb1e7a6f8bf52a0f31ffe7_650x

Nessa imagem podemos ver dezenas de milhares de carros tomando sol o dia todo na Espanha.
572c5a8451b8b44f35c173e77ea55e89_650x

Quando a oferta supera a procura, alguém fica com o superávit. Depois da recessão, as famílias já não compram um carro novo a cada ano.

São Petersburgo, Rússia.

05bb37d00158a03ab9c8b1536edf5edc_650x

Carros europeus importados que não conseguiram vender e estão largados para enferrujar em um aeroporto
.
28263086db6559063dc48f4b2b9e484c_650x


O ciclo de comprar, usar, mudar, se acabou. As pessoas usam seus carros durante muito mais tempo depois de comprados.
5130e5814551ae8cfcddff9d7eaf30eb_650x


Lotes aberto ao redor do mundo se converteram um cemitérios improvisados para os carros que não se venderam.

Avonmouth, Reino Unido.

444600f268f4bbffb730e12e14028d46_650x

Cada espaço cinza que se vê está cheio de carros sem uso.
c0ffadf17692c37269ae953c8292fcd9_650x

Corby, Reino Unido.

1a13277d21e470c29065933e289acfe5_650x

A
qui há outro monte de carros que sobraram. Qualquer um se pergunta: por que não reciclam esses carros ou pelo menos não dão para as pessoas pobres?

Porto de Civitavecchia na Itália.

4dbfd02926062e9365b838a7a63527e8_650x

Até pode-se pensar que os fabricantes de automóveis poderiam utilizar pelo menos algumas das partes. Eles ainda acham que vão vender esses carros?
bda776efeea84f96611f17d7a265013d_650x

Porto de Valencia, Espanha

931b868578eae83fb9a76ca7fd1203f0_650x

Estas imagens são particularmente frustrantes se você está dirigindo um carro velho

8e33a8294d1e620612c9739f698c3f22_650x


Os carros, quando expostos ao ar livre, não duram muito tempo.
46d43d5c6981c0edc13eee37657a9b7e_650x


Quando um carro fica ao relento, todos os óleos se vão para o fundo do cárter, e logo começa a corrosão e danifica todas as partes internas do motor que fiicam fora do óleo.
9fa4632fde3d0b872628d17297957d4d_650x

A super produção não é só uma falha do sistema nos Estados Unidos ou de uma só fábrica de automóveis, este é um problema mundial. Se não encontram uma maneira de reutilizar esses carros, milhares de carros abandonados continuarão preenchendo espaços vazíos. Isso é realmente lamentável. A única solução é ou dar os carros e lucrar com a venda de peças e serviços ou prensar e reciclar tudo...


PERCUSSÃO COM CAIXAS DE FERRAMENTAS...

O RITMO DO MECÂNICO...


video

TRABANT HONDA, O PERCEVEJO ALUCINADO..

Trabant With A mid-engine Honda H22 motor

Este carrinho, produto máximo da ditadura do proletariado, foi fabricado de 1957 aa 1990, nos 
ultimos anos já com um motor VW 1,4 de quatro cilindros do Polo. O original tinha um parentesco
 estreito com os DKW bicilíndricos de dois tempos de pré  guerra, mas já com refrigeração a ar. O
 grande barato era a carroceria de resina vegetal e fibras de algodão, Como era o carro mais
barato da Alemanha Oriental, foram fabricados aos milhões para consumo popular enquanto
a Nomenklatura andava de limousines Volvo...
Este aqui é mais um dos muitos que foram customizados: ao invés de 29 cv originais ele tem um
 motor Honda 2,2 litros e 270 CV com uma caixa dele também, com seletor de marchas por cabo,
o que facilita muito a instalação. Como o carro ainda pesa 866 quilos anda essa enormidade que se vêr nos vídeos...Zero a cem em  3,2 segundos...


MOTOR PATELO 32 CILINDROS EM "W"

ESTE É MAIS UMA DAS JÓIAS MECÂNICAS QUE O SR. PATELO FABRICA. DESLOCA 47,5 CM³, TEM DIÂMETRO E CURSO DE 13,75 MM X 10 MM, PORTANTO SUPER QUADRADO E GIRADOR... POSSUI 850 COMPONENTES E 650 PARAFUSOS, TUDO CARINHOSAMENTE TORNEADO POR SUAS MÃOS DE GEPETTO CRIANDO SEU PINOCCHIO MECÂNICO. ..PATELO TRABALHOU 2,520 HORAS, O MOTOR ZINHO TEM UMA CERTA SEMELHANÇA COM UMA CRIÇÃO DE FRED ZEDER NA CHRYSLER DE PRÉ GURRA PARA MOVER TANQUES COM UM MOTOR FÁCIL DE FABRICAR NAS LINHAS DE MONTAGEM JÁ EXISTENTES, OU MESMO O MOTOR EM "W" DA BUGATTI VEYRON.



O MULTIBANK da Cherysler:


O MOTOR CHRYSLER DE TANQUE EM FORMATO DE "W"


sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

ALTA RODA COM FERNANDO CALMON



Alta Roda nº 825 — Fernando Calmon — 24/02/15





MOTIVO PARA COMEMORAR






O Carnaval este ano foi marcado por menos acidentes, mortos e feridos do que o mesmo período carnavalesco do ano passado nas estradas federais do País. Ainda é difícil saber se indica uma tendência, mas a Polícia Rodoviária Federal (PRF) fez um balanço baseado em seus registros e estatísticas. Nesta comparação, por cada milhão de veículos registrados no Renavam, o número de mortos caiu 28%, o de feridos 18% e os acidentes 22%.
Morrer 120 pessoas (incluídos os atropelamentos) em quatro dias e meio ainda assusta e muito. Mas é inegável que a PRF se preparou para este período sempre problemático com ações diversas. No total foram fiscalizados 234.038 veículos, recolheram-se 1.901 carteiras de motoristas e 48.754 pessoas participaram de ações de educação para o trânsito. Uma das providências que mais surtiu efeito foram os testes de alcoolemia. Pelo bafômetro passaram 85.677 motoristas, dos quais 2.006 foram autuados e 372, presos.
A referência a comemorar aparece quando se comparam as fatalidades nas rodovias federais no Carnaval de 2007 com o de 2015. Em oito anos, as mortes por milhão de veículos registrados baixaram nada menos de 56%: de 3,2 para 1,4. No entanto, a relação com outros países ainda não pode ser feita, pois a frota registrada é cerca de 30% maior do que a real. Afinal, como já comentado nessa Coluna, os carros no Brasil têm certidão de nascimento, mas não de óbito. Milhares de veículos viram sucata todos os anos, mas continuam no Renavam: poucos se habilitam a enfrentar a burocracia e os custos de cancelar a documentação.

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

O MUSEU DE SINSHEIM POR BARRY MEGUIAR

UM DOS MAIORE4S MUSEUS DA ALEMANHA. QIE TEM ATÉ UM CONCORDE. ISSO FORA A COLEÇÃO DE CARROS, MUITO FORTE. COISA DE PROFISSA...


ANTIGOS PROIBIDOS EM PARIS BY JASON VOGEL






N.  DA REDAÇÃO:

OS CRIMINOSOS TERRÍVEIS DE QUE FALA A DILMA FRANCESA, QUE JOGA PARA A ARQUIBANCADA E 

IGNORA ONDE ESTÁ O REAL PROBLEMA: OS MILHÕES DE CARROS DIESEL NO TRÁFEGO PARISIENSE. LÁ. 

COMO AQUI O TRANSPORTE DE CARGA E PASSAGEIROS É MOVIDO  A DIESEL EMBORA

 HAJA UM METRÔ BEM EXTENSO. O CARRO SEMPRE SERÁ O BODE EXPIATÓRIO PREFERIDO DESSES 

POLITICOS SEM REAL RELEVÂNCIA QUE SE APROVEITAM DESSAS BANDEIRAS FÁCEIS QUE A PLEBE RUDE 

ADORA! PENA QUE NÃO TEM AMAIS A GRANDE INVENÇÃO DO DR. GUILLOTIN EM FUNCIONAMENTO...

MEMÓRIAS DO ARPOADOR - 35 ANOS...


O POVO TODO..MÓS ÉRAMOSFELIZES E SABÍAMOS...EU APAREÇO DUAS VEZES , UMA DELAS NA MINHA VELHA 500 DE BRIGA COM MEU NAVA BRANCO...SAUDADE...

DE CARRO POR AÍ COM O NASSER




Coluna 0915      25.Fevereiro.2015                     edita@rnasser.com.br       
Genebra, uma encruzilhada para o futuro ?
Genebra Motor Show, mostra anual, antiga, está na 85a edição, em país de pequena e pontual produção de veículos. É exercício de criatividade, sobrevivência, e nos últimos anos tomou o caminho mercadológico de ser palco para apresentação de novas tecnologias para combustíveis alternativos. Assim, não compete com Paris, França e Frankfurt, Alemanha, maiores em extensão, presença, e capacidade de influência ao amplo mercado europeu, e de realização alternada. Em Genebra maioria dos visitantes é natural.  A público entre 5 a 15 de março.
Neste ano, previstos 700 mil visitantes verão nos 220 stands, 900 veículos, mais de uma centena de lançamentos, e pelo menos uma demonstração de viabilidade de novo veículo elétrico, o QUANDTiNO, como nova tecnologia eletro veicular. Antes apenas permitida a veículos pequenos e de baixa velocidade e autonomia, como os carrinhos de golfe, consegue somar grandezas inconciliáveis pelos processos atuais: baixo consumo, elevada performance. Seus quatro motores de 25 w – equivalendo a 130 cv -, permitem atingir 200 km/h e superar 1.000 km de autonomia.
A morfologia é de automóvel, quatro lugares, tamanho de um VW Gol, e marcantes rodas de 22”.
A ser verdade o divulgado pela construtora nanoFlowCell AG, apesar de atrativo, deve ser visto apenas como efeito-demonstração de nova tecnologia, capaz de re escrever toda a motorização hoje empregada nos veículos elétricos, plug in ou híbridos.
Novidade midiática, o novo Ferrari 488 GTB, espécie de 2a edição do modelo Itália, marcado por pequenas mudanças estéticas, como maiores entradas frontais de ar. Motor reduzido a 3.9 litros, V8 a 90 graus, dois turbos, 670 cv de potência, câmbio de dupla embreagem, 7 velocidades.
Possibilidade material, o conceito Kia Sportspace. Totalmente novo, projetado na Alemanha. Na prática a proposta está mais próxima a Grand Routier, como os franceses dizem os carros estradeiros, capazes de bem andar e faze-lo com conforto, firmeza e estabilidade no rodar. No caso, aerodinâmica, confortáveis quatro lugares, espaço para bagagens. O Sportspace supera a fase do conceito e pode se transformar em produto a curto prazo. Na mostra e da prima Hyundai, o novo I35. Não deverá vir ao Brasil. Aqui se montam a avó, Tucson, e a mãe, também dita i35.
Outra atração será a volta da marca Borgward, uma das mais importantes da Alemanha no pós-Guerra, e de fim nebuloso – falência declarada apesar de ter patrimônio e recursos superiores às cobranças. Volta com Christian, neto do fundador Carl Borgward, e a sede é na Suíça. Marcante em solidez, rendimento e bom design, fez sucesso na década de ’50 com os Isabella, sedã 2 portas, Coupé TS e a camioneta Combi. Quase foi feito no Brasil. Genebra viu, em 1949, o Borgward Hansa 1500, primeiro produto inteiramente novo após a razia industrial sofrida pelos alemães na II Guerra Mundial. A apresentação do modelo redivivo, no mesmo Salão, é para fortificar os laços com o passado.
---------------------------------------------------------------------------
Exibindo Foto Legenda 01 coluna 0915 - QUANTiNO.jpg
QUANTINO: O FUTURO CHEGOU COM ELLE
------------------------------------------------------------------------------

Abril, os Chery nacionais
Enfim, após a festiva inauguração em agosto, Chery inicia fabricar no país. Inicialmente modelos Celer, hatch e sedã, motor 1.5. Envio aos 70 revendedores em março, lançamento e vendas em abril.
Os meses de 2014 foram de funcionamento em marcha lenta industrial para afinar mão de obra, processos, máquinas, e contornar a convivência entre culturas tão díspares quanto a local e a chinesa. Também, de definir gabarito de relacionamento com a mão de obra contratada localmente, em especial ex-funcionários da General Motors, com maior vivência sindical, e a tumultuada cultura da região. Por conta dela a General Motors, a pouca distância, em São José dos Campos, tem minguado a produção, cortado empregos e, recentemente, optou fazer motores em Santa Catarina e a próxima geração de carros pequenos na Argentina, para evitar interrupções e greves.
No período a empresa produziu 123 unidades de veículos em Pré Série, para testes locais e não serão vendidos a público, mas destinados a frota de serviço e a executivos da marca.
A fábrica da Chery, de capital totalmente chinês e sem sócio brasileiro, foi construída em Jacareí, a 70 quilômetros ao norte da capital, cidade-chave para distribuição, na Via Dutra e Via Dom Pedro I.
A Chery lidera vendas dos chineses no Brasil e intenta, com a atividade industrial, fazer 25 mil unidades em 2015. Para comparação futura, hoje os preços das unidades importadas são R$ 35.900 para o hatch e R$ 2 mil mais pelo sedã. Conteúdo, preço e condições de venda serão fundamentais para o futuro da marca.
----------------------------------------------------------------------------------
Exibindo Foto Legenda 02 coluna 0915 - Chery-Celer 02 .jpg
Chery Celer paulista, vendas em abril
---------------------------------------------------------------------------------
Alfa, Brasil, 2017
Discurso de Sergio Marchionne, CEO da FAC, a holding de Fiat e Chrysler, aos acionistas encerrou esperanças de produção de Alfa Romeo na grande fábrica a ser inaugurada pela empresa em Goiana, Pe. Marchionne apresentou o plano de produtos, e nele os Alfa Romeo foram o tema de relevo, especialmente pelo ultrapassar da previsão de investimento de US$ 5B para a revitalização da marca. Agora tratada como reserva de história, cultura e paixão, carros da marca voltarão a utilizar tração traseira e/ou na 4 rodas. E a produção de veículos e motores será na Itália.
Especulava-se no Brasil a possibilidade de o próximo sedã Fiat ser o Viaggio, ora produzido na China, sobre plataforma dividida com o norte americano Dodge Dart, e apta a receber motorização Alfa. Mas as declarações enterraram a possibilidade, assim como fazer o modelo Giulietta sobre a plataforma do Punto, como ocorre na Itália.
2017 ?
Alfa terá início da retomada dia 24 de junho com sedã médio, sem nome oficial, mas tratado mundialmente como Giulia, nome mítico para a marca. Após, até 2018 serão mais sete veículos.
Entretanto, Carlos Eugênio Dutra, diretor de Planejamento e Estratégia de Produto da Fiat, cortou o barato e as esperanças de Alfistas nacionais em adonar-se do novo modelo. Segundo o executivo, toda a dedicação da parte Fiat no Brasil está na grande fábrica ora implantada, e nos investimentos em tempo, talentos e recursos para os novos produtos Jeep e Fiat. Assim, por cautela, e tendo em vista a definição interna sobre a distribuição dos Alfa por inexistente rede separada de Fiat, Chrysler ou Jeep, Alfa Romeo no Brasil é assunto para 2017.
--------------------------------------------------------------------------------------
Exibindo Foto Legenda 03 coluna 0915 Alfa .jpg
Alfa. Renascimento em junho, Brasil daqui a dois anos
----------------------------------------------------------------------------------
Mini Fiat em um ano
Fonte acreditada da Fiat levantou a pesada e negra cortina vedando informações sobre seu novo carro de entrada no mercado. Ainda sem nome, mas criado para ser o menor da linha, é um dos oito produtos em desenvolvimento pela marca. Lançamento em março de 2016.
Mesmo executivo disse, com satisfação, a equipe de planejamento conseguiu atingir o objetivo do projeto: ter o veículo, com os legais ABS e bolsas de ar, capaz de ser aprovado em testes de impacto, pelos mesmos R$ 22 mil praticado pelo antigo Mille, descontinuado por não absorver tais equipamentos, e em fim de vida, em 2013.
Redução de custos por projeto, plataforma, método de armação da carroceria, melhor estrutura com menos vincos, pontos de solda e operações industriais permitiram reduzir o custo de produção ao objetivo.
Motorização possivelmente o 1.0 de quatro cilindros da casa. Ao contrário do divulgado por algumas fontes, a Fiat não dispõe de motor 1.0 em três cilindros.
---------------------------------------------------------------------------------
Roda-a-Roda
Enfim, - Crescimento das vendas na China e recuperação na Europa permitiu à PSA, holding reunindo Peugeot e Citroën, após três anos ter lucro no exercício de 2014: 63 milhões de Euros. Carlos Tavares, português, ex vice da Renault e agora número 1 da PSA disse, resultados andam à frente do projeto de reestruturação. Uma surpresa.
Aqui – Previsão de Tavares aos investidores contraria projeções locais das vendas em 2015 bisarem ou crescer pouco relativamente a 2014. Calcula queda de 10% na América Latina – onde Brasil é metade do mercado.
Mercado – Audi experimenta no pequeno e contado mercado uruguaio automóvel como sedã de entrada da marca: A3 Sedan simplificado, pequeno motor 1.2 TFSI, franciscano câmbio automático de 5 velocidades.
Reflexo – Carro brilhando à noite é proposta da Nissan para identificar o Leaf, seu modelo elétrico. A ideia, para chamar a atenção da presença da frota ecológica, parte de spray Starpah desenvolvido pelo inventor Hamish Scott.
Segredo – A tinta absorve raios ultravioleta durante o dia, para brilhar entre oito e dez horas à noite, e coerentemente utiliza componentes naturais. Tem enorme duração, projetada em 25 anos. Por isto não espere tê-la em seu carro – a indústria de tintas nunca se interessaria em produzir algo tão duradouro.
Impulso – Lexus, marca de luxo da Toyota, reposicionou os preços do luxuoso hatch híbrido CT200H. Reposicionar, em linguagem de gente, significa reduzir, baixar. No caso, de R$ 134 mil para R$ 127 mil, e de R$ 154 mil a R$ 149.500 na versão Luxury. Vender carro híbrido em país sem incentivo ao uso, é exercício institucional.
Questão - Próximos dias solução ou arrepio comercial com o México, com quem o país administra programa de quotas para importação e exportação. Problema é exportarmos pouco e importarmos muito. Acima da cota os carros mexicanos devem pagar o desmesurado imposto de importação de 35%. Daí,
México não quer mais esta regra, postergada, e em seu lugar o livre comércio. Exportamos pouco por não sermos competitivos.
Festa – Subaru, cujos veículos se caracterizam por motor de cilindros contrapostos e transmissão com tração permanente nas 4 rodas, comemora 15 milhões de motores e 14 milhões de transmissões fabricados.
Mais um – HR-V, novo SAV da Honda será apresentado entre 10 e 12 de março. Não é um jipinho, como alguns jornalistas insistem rotular, mas um monovolume com tração apenas nas rodas dianteiras. Diferença entre concorrentes será charme visual, mais para automóvel, menos para veículo de trabalho, cuidados internos, a excepcional multi combinação com os bancos. Motor 1.8, 140 cv, mesmo do Civic, apesar da plataforma utilizada ser do Fit.
Sobe – Banco Volkswagen oferece até 15 de março condições especiais para vender motos Ducati, do grupo: 30% de entrada, 23 prestações contidas e última na metade do preço total. Após comprador pode quitar o financiamento ou usar a parte paga como entrada de Ducati nova.
Desce – Bramont, montadora de veículos na Zona Franca de Manaus, suspendeu montagem das motos Benelli.
Mahindra – Marca indiana, montada pela mesma Bramont, deteve operações. Já ocorreu antes e voltou tibiamente. Não se sabe se retomará ou sairá do negócio.
Promoção – Suzuki segue trilha aberta pela Mitsubishi e sulcada pela Troller para divulgar-se: chamar os usuários da marca a utilizar seus veículos em atividades variadas. É o Suzuki Off Road. Para velocidade, o Swift Sport Cupa ser corrida com este modelo no autódromo Vello Cittá. Além, participará do Rally dos Sertões e, curiosidade, competições náuticas – como a Mitsubishi.
Corte – Medida de economia e produtividade, Toyota cortou mordomias de escritório caro e em luxuoso bairro paulistano, retornando a administração para a pioneira fábrica na Estrada do Piraporinha, em São Bernardo do Campo, SP.
Tranco – Levantamento pelo Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação – IBPT, arrecadação do IPVA é R$ 32,756 B. Divididos pela população significa paulistas líderes em ônus: R$ 307,13 per capita. DF 2º. lugar: R$ 248,13/habitante. Médios R$ 161,55/brasileiro. Na prática, Receita há. O que não há é retorno em serviços aos contribuintes. Saber mais ? www.ibpt.org.br
Centenário – Allison Transmission, nascida produtora de peças de precisão para carros de corrida, agora maior fabricante mundial de transmissões automáticas para veículos comerciais, festejará 100 anos durante 2015.
Gente – ZF, fábrica de transmissões, tem dois novos diretores para América do Sul. OOOO Tarcísio Costa, 51, administrador, atuação internacional, para Gestão de Materiais. OOOO Marcel Oliveira, 51, mestre em administração, experiência no ramo, cuidará dos recursos humanos. OOOO Takanobu Ito, 61, CEO da Toyota, saída. OOOO Re-calls, processos de indenização por clientes, prejuízos, saída da Tailândia, e a certeza de perder a liderança mundial para a Volkswagen, definiram mudança. OOOO Seu lugar, Takashiro Hachigo, 55, atual nº1 em pesquisa e desenvolvimento. OOOO Desconhecem-se influências da mudança sobre Toyota no Brasil. OOOO


quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

FIAT ABARTH 695 BY JLV



Fiat Abarth 695 biposto
O novo Abarth 695 biposto foi apresentado à Imprensa internacional e colocado à sua disposição para test drives na pista de Varano de Melegari, em Parma. Para a Fiat, o 695 biposto é a síntese dos carros de corridas e de passeio, a ‘tradução’ de um carro de competição feito para o dia a dia. 

Neste ano em que a marca comemora o qüinquagésimo aniversário do Fiat Abarth 695, a submarca faz sua apresentação oficial no Salão de Genebra de 2014. Disponível desde junho passado, o modelo já mais do que esgotou sua capacidade de produção para o ano todo. 

O biposto apareceu nas principais provas européias do ano: Goodwood, Festival do Speed, Lignières Historique, Salon Privée. 

A Gumball 3000, apenas para supercarros, pela primeira vez adotou um carro oficial, exatamente o 695 biposto. De agora em diante, o ‘menor dos supercarros’ estará nas estradas da Europa, com a entrega das primeiras unidades feitas no fim do ano. 

A filosofia de Carlo Abarth sempre foi definida por seu slogan ‘Domingo na pista, segunda no escritório’. O preço de lista do novo 695 varia de acordo com o mercado em que será vendido, para satisfazer as regras específicas de cada país.

As especificações técnicas básicas são motor T-Jet 1.4 (quatro cilindros, 72 mm x 84 mm, 1.368 cm³, 9,8:1 de taxa), turbinado, 190 hp (139 hp/litro) a 5.500 rpm, torque máximo de 250 Nm a 3.000 giros, peso total do carro de 997 kg (5,2 kg/hp), tração dianteira, diferencial auto-blocante, zero a cem em 5,9 segundos, máxima de 230 km/h, agilidade extraordinária devida ao baixo peso, bitolas largas, entreeixos e balanços curtos, intercooler dianteiro grande, kit BMC de admissão, sistema de escape Akrapovic com válvula ativa, amortecedores Extreme Shox, freios Brembo dianteiros 305 x 28 mm, traseiros 240 x 11 mm, rodas OZ de 18 polegadas e barra anti-rolo Poggipolini de titânio. Direção eletricamente assistida. 

Dentro a palavra é simplicidade, para menor peso e maior ergonomia: bancos Abarth Corsa da Sabelt com estrutura em compósito, instrumentação com tela TFT colorida de 7 polegadas, portas com painel simples, apóia-pés planos, e pedais de acelerador, freios e embreagem em alumínio.

Os dois bancos têm cintos de segurança de quatro pontos e atrás há uma tela anti-intrusão para conter eventuais peças de bagagem voadora.

Se o comprador escolher ‘janelas de corridas’, o carro virá com janelas dianteiras fixas com painéis deslizantes em policarbonato. O 695 é o primeiro carro ‘legal para a rua’ com anéis especiais na caixa de marchas que permitem mudanças rapidíssimas ‘para cima’ sem o uso da embreagem.

Outros opcionais incluem painéis dianteiros e traseiros, colunas, espelhos e acabamento do painel dianteiro em fibra de carbono. 

O CONCORRENTE DO TUCANO

O MUSEU DODGE

terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

NOVA FRAGATA INGLESA BY JLV


Uma nave de guerra silenciosa
A Royal Navy, ou marinha real britânica, tem uma história naval fantástica, que inclui a destruição da armada espanhola, a vitória sobre Napoleão em Trafalgar e o afundamento no Rio da Prata, Argentina, do maior cruzador alemão, o Bismarck. 

Hoje, a Royal Navy espera a construção de uma fragata avançadíssima, capaz de executar missões de combate em alto mar, combater pirataria e executar pesadas missões de socorro. Dizem seus marujos que a fragata poderá operar sozinha ‘por longos períodos’. 

A embarcação, Tipo 28 de Combate Global, terá mísseis, radares e armamentos ultra-sofisticados, incluindo helicópteros e uma série de veículos sem tripulação, submarinos, de superfície e aéreos. Sua principal característica é a qualidade e a quantidade de tecnologia que se encontra na sala de motor: turbinas a gás para operação a altas velocidades e geradores diesel para alimentar um par de motores elétricos em missões de patrulhamento e cruzeiros a velocidades tranqüilas e silenciosas. 

A BAE Systems é a empresa que está encarregada de desenvolver a fragata. Seu sistema de propulsão elétrica está sendo feito pela GE americana, que lançou mão de um time de especialistas em ruídos e vibrações que desenvolveu um software 3-D especial e modelou a dinâmica acústica de motores elétricos realmente 'quietos'. 

A propulsão elétrica em combinação com turbinas a gás é hoje a preferência de muitas forças marítimas do mundo, devido à sua operação fácil e seus baixos custos de manutenção. 

Os motores GE são muito compactos, uma necessidade vital em embarcações onde o espaço está a premium. As primeiras fragatas Tipo 26 devem entrar em serviço após 2020 e ficar na água por pelo menos três décadas. 

JOSÉ LUIZ VIEIRA - WWW.TECHTALK.COM.BR