sábado, 31 de janeiro de 2015

ALTA RODA COM FERNANDO CALMON



Alta Roda nº 821 — Fernando Calmon — 27/1/15





EMPURRAR COM A BARRIGA





Uma das características menos virtuosas que um povo deve evitar é adiar decisões. Os governos do nosso país parecem cultuar com fervor um velho ditado da política – ilustrado no título desta Coluna – que pode até ser moderadamente aplicado por razões momentâneas. Quem desconhece a lei que não “pega” ou, pior, a lei sem regulamentação e, portanto, de efeito prático nulo? Sem contar a proibição de algo com ausência de penalização que se transforma em letra-morta.
Neste começo de ano, apenas no setor automobilístico, há pelo menos 10 pendências que migraram de 2014 ou mesmo de mais de uma década atrás. É a cultura insuportável da postergação sem fim.
  • Inspeção técnica veicular (ITV), que inclui segurança e emissões simultaneamente, já deveria estar implantada na maioria dos Estados há quase duas décadas. ITV em bases sérias e não apenas pró-forma vem sendo postergada em jogo de empurra entre Executivo e Legislativo federais.
  • Inspeção veicular ambiental em São Paulo foi temporariamente suspensa há dois anos. Apesar das promessas da prefeitura de que voltaria em 2014, até agora nada. A reformulação de periodicidade e a frota inspecionável estão corretas, mas não o adiamento.
  • Obrigatoriedade de troca do quase inútil extintor de (princípio) de incêndio para o novo tipo de pó (ABC) foi anunciada há cinco anos para 1º de janeiro de 2015. A data chegou e... tome mais 90 dias de prazo. Para que serviram os outros 1.825 dias?
  • Decidiu-se lançar no seu registro de licenciamento anual, a partir de 2014, os veículos que não atendessem aos chamados para troca de peças defeituosas ligadas à segurança. Muitas vezes o motorista esquece, adia ou não pôde ser informado. Alegação para não implantar: informações pouco robustas...
  • Dez entidades e sindicatos do setor automobilístico, em novembro de 2013, propuseram ao governo federal um programa de substituição de caminhões com mais de 30 anos de uso. “Em estudos, por falta de recursos”, espera-se um programa-piloto este ano.
  • Instalação compulsória (contratação do serviço, opcional) de rastreadores em todos os tipos de veículos novos já se adiou por quatro vezes. Exigência descabida e sem eficiência para inibir furtos e roubos, acredita-se que será revogada depois de só causar prejuízos.
  • Passou 2014 e nem o Contran e nem os fabricantes avançaram na proposta de itens de segurança de baixo custo com prazo de até cinco anos: fixação Isofix para bancos infantis, cintos retráteis no banco traseiro, monitoramento de pressão de pneus (via ABS) e controle de estabilidade (ESC).
  • Governo Federal induziu, ano passado, a melhoria no consumo relativo de etanol (ponto de equilíbrio de 70% para 75% frente à gasolina) em motores flex. Sem estímulos anunciados até agora, ninguém se mexeu.
  • Também de novembro de 2013 é a proposta de aumento de exportações. O Brasil já perdeu para o México, em 2014, a sétima posição na classificação mundial de maiores produtores justamente por exportar menos. Programa Exportar-Auto ainda se arrasta na esfera federal.
  • Contran precisa, por meios estatísticos, revisar dados inflados em cerca de 30% da frota nacional de veículos. Parece que há a intenção, mas nunca sai do papel. Até quando?

RODA VIVA

BRIGA pela posição de hatch mais vendido em 2014 entre Fiat e Volkswagen (Palio+Palio Fire x Gol), em que a primeira levou a melhor, se estendeu ao ranking dos mais econômicos neste início de ano. Segundo o Inmetro, o VW up! venceu entre carros com ar-condicionado e direção assistida, seguido pelo Uno Evolution e Ka. Entre os 10 primeiros, dois modelos da Fiat e dois da VW.
NOVENTA anos da GM no Brasil foram marcados com inauguração esta semana do novo centro logístico de abastecimento dentro de sua fábrica mais antiga, a de São Caetano do Sul (SP). Área que estoca 4.000 itens de peças, além de gerenciamento de conceito avançado para a indústria, surgiu da “desconstrução assistida” de velhos galpões existentes há décadas.
PEUGEOT RCZ é daqueles carros esportivos derivados de arquitetura de alta produção (no caso, o 308) que impressionam aonde chegam. Cupê de 2+2 lugares tão ousado como Audi TT, tem direção e suspensões de calibragem mais firme que estimulam uma tocada rápida, mas responsável, e inclui aerofólio autorregulável com a velocidade. Para seus 165 cv tem preço bem razoável: R$155.090.
SAIU o ranking dos 10 modelos mais vendidos na Europa em 2014, segundo a Focus2Move. Mais uma vez Golf venceu por margem de 66% sobre o segundo, Polo. Depois, vieram Clio, Fiesta, Corsa, Focus, (Nissan) Qashqai, (Skoda) Octavia, 208 e Astra. Pela primeira vez aparece um carro da Skoda e nenhum da Fiat.
CORREÇÃO: Na classificação dos veículos de maior venda no Brasil em 2014, tabulada pelo critério desta Coluna, Jeep Grand Cherokee foi reclassificado como SUV grande e se posicionou em terceiro lugar, atrás de Pajero Full+Dakar e Edge.
____________________________________________________

fernando@calmon.jor.br e twitter.com/fernandocalmon

CARRO DE ESPUMA DE BORRACHA BY JLV


Carro de espuma de borracha 
Essas três palavras estão em todas as propagandas do carro Spira4u (com a fala em inglês misturada com chinês, significando espiral para você), e entrou em produção numa fábrica muito curiosa. Sua estrutura tricíclica é toda em compósitos em forma de favo de mel e pode receber um esquema 100% elétrico, um trem de força híbrido ou ainda um motor de combustão interna.

Com um roda na frente e duas atrás, apenas um banco e um sistema de direção por triângulo (barra em V invertido que ‘agarra’ a roda dianteira), o carro é anunciado como muito melhor do que os outros do ponto de vista de segurança passiva, graças à suas extraordinárias (dizem) características de absorção de choques.

O carro foi pensado alguns anos atrás e agora seu designer, Lon Ballard, resolveu colocá-lo em produção na China, em que seu nome soa tão estranho como qualquer outro. 
Com motor de combustão interna, de moto de 150 cm³, ele é mais barato mas com o tempo acaba sendo mais caro pelo custo do combustivel.

Com motor elétrico de 10 kW e um pacote de bateria de 72 ampères, ele custa US$ 9.000 e tem alcance de 220 km. Se alguém precisa de mais potência, tanto a bateria como o motor podem ser duplicados (mais US$ 3.500). 



http://www.cargaetransporte.com.br/


AIXAM, O SAFA ONÇA...

Existe na França e alguns outros países uma classe de automóveis equiparada a um ciclomotor: não precisa de carteira para dirigir. A única restrição é ter mais de 16 anos. Normalmente ele tem dois lugares e menos de três metros de comprmento fazendo um Ka antigo parecer enorme. Os motores são de 500 cm³ e dois cilindros, com mais ou menos 20 CV, câmbio CVT e 90 por hora de final. Uma espécie de Smart menos sofisticados e caros. Servem muito para não ficar a pé quando os pontos da carteira estão pra lá de Bagdá. 
A  Aixam  é líder nesse mercado e está fabricando desde os anos 80. Atente para o esqueleto de tubos que reforça a carroçaria e a atual sofisticação do painel, com até GPS  opcional. Existe também um furgão urbano bem interessante        


sexta-feira, 30 de janeiro de 2015

JLV E OS AIRBAGS MORTAIS


Takata e air bags

A Takata, segunda maior produtora de airbags do mundo, espera que já tenha prontas todas as peças necessárias para substituir 1,08 milhão de airbags de motoristas e 3,05 milhões de airbags para passageiros no Japão até junho, de acordo com a ordem do ministério japonês de Terra, Infraestrutura, Transporte e Turismo. 


No total, a empresa está envolvida num enorme recall de mais de 20 milhões de veículos espalhados pelo mundo inteiro. Ela ainda espera determinar a causa exata do problema que acontece com infladores de air bags, que em alguns casos têm espalhado estilhaços (tipo granada) com força suficiente para matar. 



Já há casos de morte relatados em vários pontos do mundo, mas a razão principal (além da necessária colisão) parece ser a da inflação em locais extremamente quentes e úmidos.

OFF: UM VIOLEIRO GENIAL!

video

Esse som fininho de viola campeira me recorda noites na estrada ao som de um crepitante radio AM sintonizado nas rádios do interior, do final do sertão. Um mundo de musica às vezes lamentosa que embalava as noites de amor ao asfalto, ao feitiço de viajar longe.. Que saudade desse tempo!
E o ,cara é um mestre, um grande artista, um super violeiro!

COLEÇÃO DE HONDAS ANOS 50 A 70

David Silver
Um revendedor inglês de peças para Hondas antigas, David Silver ,está completando a maior coleção de Hondas fora da fabrica: mais de 200 motos , de Honda Benly ma CB400F Ele tem inclusive o começo de tudo. o motor para bicicletas Super Cub, o primeiro produto no pós guerra. Aqui vai seu site para quem precisa de peças:
https://www.davidsilverspares.co.uk/

JLV ESCREVE SOBRE UM SUPER GUPPY



Parece mais peixe do que avião
Guppy é o nome que pescadores americanos dão a um peixe de colarinho brilhante e cabeça enorme. O Super Guppy é um avião de carga militar feito em peça única para poder levar uma imensa caixa plástica de dois andares de Long Beach, na Califórnia, no Pacífico, ao Centro de Pesquisas de Langley, em Hampton, na Virginia, no Atlântico, uma viagem de 3.767 km.

A caixa, feita de compósitos, tinha 9,14 m de largura, pesava 4.536 kg e foi enviada para ser testada, dobrada, pressurizada e eventualmente quebrada. Ela é parte da seção central de desenho futurista chamada corpo híbrido de asa.

A maior parte deste ‘artigo de teste’ é feita de um conceito de compósito costurado que forma uma estrutura unitária feita pela divisão de pesquisa tecnológica da Boeing e chamada de PRSEUS. No caso, ele representa 75% da peça final.




Dawn Jagley, principal engenheiro da NASA no projeto, diz que “Escolhemos usar o Super Guppy porque acomodaria facilmente essa grande estrutura. A aeronave e sua tripulação têm muita experiência no transporte de componentes de aeronaves e espaçonaves.”

O Super Guppy tem um compartimento de carga de 7,6 x 7,6 x 33,8 metros e capacidade de 23.587 kg. Seu nariz abre mais de 200 graus, para receber os mais diversos tipos de cargas volumosas.

Vejam como ele engole dois aviões de caça pertencentes `,NASA em sua fuselagem de 7,72 m de lagura:

quinta-feira, 29 de janeiro de 2015

DE CARRI POR AÍ COM O NASSER



Coluna 0515      28.Janeiro.2015                     edita@rnasser.com.br       
Furo: Renegade, prévia em Brasília
Correndo com produção e instalação de rede de concessionários, a Jeep – uma das marcas sob a secular árvore da Fiat – dá providências no lançar seu produto de relevo, o Renegade.
Embora a distribuição seja prevista para março – após inauguração da fábrica, hoje dependente da confluência de agendas da Presidente Dilma, do governador de Pernambuco e de Sergio Marchionne, o CEO da FCA, nova razão social da Fiat, produção se afina e faz estoque para atender à rede.
No processo, superior a lançamento de produto, posto ser da marca, aliás uma segunda etapa – chegou ao Brasil em 1948 - , a apresentará o pequeno Jeep a revendedores, seus vendedores, pessoal de oficina. Negócio com destaque à feição dinâmica, item diferenciativo. Ênfase é mostrar, impressionar, encantar os vendedores para exibir aos clientes as diferenças entre o Renegade e seus concorrentes próximos, Ford EcoSport e Renault Duster. O evento, a público interno, se realiza no Brasília Palace Hotel – pioneiro em Brasília -, onde foi reeditada pista de dificuldades às margens do Lago Paranoá – a Jeep lá apresentou o Wrangler 4 portas. Querem mostrar, na versão 4x4 nenhum destes se aproxima das habilidades do Renegade, com o DNA do mítico Jeep.
Renegade quer liderar mercado com cinco versões e opções em decoração, motores 1.8 a gasolina e 2.0 diesel, tração em duas e quatro rodas, transmissões mecânicas de seis velocidades, automáticas com oito, e preços imaginados entre R$ 68 mil e R$ 110 mil.
Bem bolada data de lançamento oficial de todas as versões: quatro de abril, 4 de 4, dia mundial da tração 4x4.
Foto por colaborador da Coluna.
----------------------------------------------------------------------------------------
Preparativos para uso na pista de testes
----------------------------------------------------------------------------------
Motor melhora Audis A4 e A5
Alemã Audi em sua escalada no mercado brasileiro – cresceu 105% ano passado – tem novidades sob o capô. É o novo propulsor de 4 cilindros, 16 válvulas, turbo, e dois sistemas de injeção de combustível – um direto na cabeça do cilindro e outro no coletor de admissão. Caminho tecnológico da marca no cumprir regras europeias de consumo e emissões.
Na prática tomou o motor 2.0, antes colocado na posição transversal e aplicou-o longitudinalmente. Para o serviço mudou peças como os pistões, mais leves, as bielas com tratamento especial no olhal superior girando diretamente no pino do pistão, sem bucha. Aliviou o bloco do motor em alumínio, reduzindo espessura da parede a 3mm, simplificou o virabrequim cortando 4 dos 8 contrapesos, modificou a turbina cuja pressão não varia de acordo com a rotação e a passagem de gases por sua face motora, mantendo pressão constante de 1,3 bar. No operacional implementou a refrigeração permitindo diferentes temperaturas, e aplicou bomba de óleo do motor com pressão variável quanto a rotação e demanda. No caminho substituiu onde possível parafusos de aço por outros de alumínio. Ao final emagreceu 3,5 kg em relação ao motor anterior. Dinamicamente reduziu a potência de 200 para 180 cv, mas obteve referenciais 320 Nm – uns 32 quilos – de torque entre 1400 e  3.700 rpm, capazes de levar o A4 de O a 100 k/h em 8,3s. No A5, maior, em 8,5s, e velocidade final respectiva de 225 e 220 km/h.
Razões
Nada de particular ao mercado brasileiro, onde o A4 é para a Audi grata surpresa. Ano passado vendeu 1.700 unidades, empate técnico com 2013, apesar da concorrência do novidadoso A3 sedan 1.4 TFSI, motor assemelhado, e de menor preço. Analisa a Audi, o A4 tem boa relação com os clientes de mais idade, valorizando o maior espaço interno.
A linha tecno-filosófica deste fabricante é de ativa geração de tecnologia para a marca e o grupo VW, onde é estrela geradora de lucros. O uso dos dois sistemas de alimentação garantem capacidade de aceleração e retomada, assim como redução no consumo em velocidade constante. Para arrancadas fortes e aceleração, funcionam os dois sistemas. Em velocidade constante, sem demanda, a injeção indireta. Com bem escalonado câmbio CVT – de polias variáveis – e 8 velocidades, A4 e A5 novo motor ainda conta com outro auxílio, o sistema Start-Stop desligando o carro nos sinais e paradas no trânsito.
Nos carros de teste, média de cidade – entenda-se o trânsito paulistano - e estrada, entre 10 e 11 km/litro de gasolina. Mecânica competente, suspensão frontal penta link, muitas partes em alumínio, traseira trapezoidal, direção eletromecânica, sistema de estabilidade ESP.

Vendas em março por
      R$
A4 Sedan Attraction
138.990
A4 Sedan Ambiente
147.990
A4 Sedan Ambiente
152.990
A5 Sportback Attraction
155.990
A5 Sportback Ambiente
167.990

----------------------------------------------------------------------------------
Audi A4. Motor diminui, torque aumenta
----------------------------------------------------------------------------------
Diminuindo consumo, aumentando segurança
No processo onde está metida na recuperação de mercado, a Mercedes aplica-se a desenvolver e aplicar tecnologia local aos seus produtos. Em 2014 fez mudança corajosa ao mudar os cubos traseiros dos eixos dos caminhões Axxor, por semi eixos, obtendo ganho de consumo. Neste, aproveitou a demanda nacional por produtos capazes de aumentar a segurança patrimonial, e com a empresa Zatix desenvolveu a tecnologia materializada com o nome de FleetBoard. Criação nacional a ser oferecida à matriz para incorporação em produtos para outros países.
É sistema eletrônico de telemetria monitoramento e transmissão de dados por ondas celulares, capaz de informar em tempo real – ou ao momento de existência de sinal ... – como está a operação do caminhão: uso da transmissão, rotações do motor, frenagens. Segundo a Mercedes, experiências indicaram, com o mapeamento operadores melhoraram seu padrão de condução com economia referencial, de até 15%. A outra dotação do sistema permite monitorar a rota, paradas, abertura do baú fora dos locais programados – um indicativo de assalto, dos maiores receios dos transportadores. Neste caso, por equipe de gerenciamento de risco comando queda da velocidade, inicialmente a 40 km/h e logo após para 10 km/h tornando impossível continuar a viagem e permitir mobilização para intervenção.
O FleetBoard vem aplicado de fábrica ou pode ser colocado nos concessionários, e é à prova de intervenções externas. Faz parte dos serviços oferecidos pela fabricante – usados com garantia, renovação de peças usadas. E, segundo Roberto Leoncini, VP de Vendas e Marketing, é um simplificador ao oferecer pacote completo. Para outros sistemas o comprador adquire o caminhão num lugar, o aparelho em outro, e o monitoramento em terceiro endereço. No caso do FleetBoard resume tudo com a Mercedes-Benz.
Pelo sistema de gerenciamento de conduzir, R$ 99/mês. Com Gestão de Risco, acompanhamento e capacidade de intervenção, dependerá da demanda de cada cliente.
--------------------------------------------------------------------------------------------------
Mercedes podem vir com FleetBoard
----------------------------------------------------------------------------------
Roda-a-Roda
Adeus – Imprensa europeia noticia três séries especiais para os Land Rover Defender. Quantidade restrita, 360 unidades Heritage, Autobiography e Adventure. Acredita-se marquem o final do marcante produto.
Mudou – Incorrosível carroceria de alumínio moldada em ferramentas simples, e grande disposição de vencer terrenos ruins, bem arrumado pacote criado pelos irmãos Maurice e Spencer Wilks como evolução do Jeep Willys, prova já não se exigem veículos com habilidades extremas. Estrangeiras, nenhuma deve vir ao Brasil.
-----------------------------------------------------------------------------------------------
Versão Heritage pontua fim do Defender
-----------------------------------------------------------------------------------------------
Cruza – Após VW assumir a Ducati; Mercedes se associar à MV Agusta; Peugeot/Citroën ligou-se a outra fábrica de motos, a também italiana Bimota.
Negócio – Busca absorver tecnologia em motores feitos em liga leve, com elevadas relação entre cilindrada e potência, como objetivam VW e Mercedes, mas primeiro entendimento elevou a cavalagem do esportivo RCZ, a 304 cv, 34 a mais arrancados do motor 1.6 HPT. Projeto é dito PB 104, iniciais das marcas e indicação de ser primeiro projeto e para veículo de 4 rodas.
Trinca – GM Brasil anunciou no Salão em Detroit, produzir novo motor 1.0 com três cilindros. Tendência mundial, e no Brasil irá atrás de VW e Ford. Hyundai o utiliza, mas é importado. Para a nova geração de compactos, o Projeto Phoenix.
Tempero – Aos saudosos de automóveis pequenos e com temperamento forte, agrado. Neste ano o mercado nacional verá três marcas e modelos diferentes com agradável performance adicional.
Quem é Quem – Peugeot estenderá seu motor 1.6, turbo, injeção direta, 173 cv, ao bem acertado 208; Renault, como Coluna antecipou, terá Sandero com motor 2.0 aspirado na versão RS; VW aquecerá o coração do up! com pequeno turbo, elevando a potência de 80 cv a 100 cv. Será o up! gt.
RAV 4– Toyota o relança como crossover – mistura de utilitário com sedã -, e certa habilidade de vencer dificuldades urbanas. Se equipado com tração nas 4 rodas, folguedos sub urbanos.
--------------------------------------------------------------------------------------------
TOYOTA RAV 4 2015
----------------------------------------------------------------------------------------------- 
Opções - Motores L4 2.5, 197 cv e câmbio automático de 7 velocidades + 4x4 para versão de topo, a R$ 137.600, e de entrada, 2.0, 145 cv, câmbio CVT e tração nas rodas frontais a R$ 110.200. Não é SUV – Sport Utility Vehicle -, como tratado, mas SAV, Sport Atctivity Vehicle. Não oferece capacidade, mas limitada disposição para aventuras urbanas e entorno.
Coerência - RAV 4 indica tração nas 4 rodas. Tração simples em apenas duas rodas, para não enganar cliente designação deveria ser RAV 2.
Fim – MMCB, a Mitsubishi no Brasil, findou produção do modelo TR4 – na origem o Mitsubishi Io, projeto Pininfarina. Em 12 anos quase 100 mil unidades.
Diferença- Razões, veículo encerrou ciclo; mercado desconhece diferença entre a real dotação do TR4 para obstáculos fora de estrada, e a apenas aparente disposição dos utilitários enfeitados – cuja simplificação permite menor preço; e necessidade de espaço para expansão industrial.
Pesado – Scanias a partir de 2015 tem garantia de dois anos para trem de força e peças banhadas a óleo, se as revisões forem feitas em concessionário da marca. Demais partes, apenas um ano.
Perda – Após vender-se à chilena LAN, e transformar-se em investimento no exterior, foi-se o charme e a relação de confiança com a TAM. Cartaz do balcão de atendimento mostra a origem da gestão: a Prioridade por Lei foi vertida ao chileno e traduzida virou o curioso “Prioridade Legislatória”...
Operacional – Vôo 3723 de Brasília a S Paulo na manhã de segunda, 26, não permitiu check in antecipado por Internet; no aeroporto, dos oito balcões, moroso atendimento por único atendente; a bordo alimentação limitada a sofrível sanduíche. Foram-se imagem e atenções, restaram preços altos.
Retífica RN – Coluna passada disse ter sido de 80% a queda das vendas da Kia. Errou. Nos últimos quatro anos caíram em torno de 70%. Principal motivo, criação de adicional de 30% no IPI para veículos importados. Previsão de vendas em 2015 é de 24.800 unidades, 4,2% superior a 2014.
Alfa – Colecionadores de Alfa Romeo inscrevem-se a encontro da marca hidro termal Caxambu, MG, 18 a 21.abril. Organização pelo Alfa Romeo Club/MG, autor da primeira edição com muito sucesso. Nacionais e importados, palestras técnicas e de vivência, muita camaradagem. Tens ou gostas da marca ? Pinte lá: www.alfaromeobrasil.com.br
-----------------------------------------------------------------------------------------------
Cartaz do evento Alfa/MG
---------------------------------------------------------------------------------------------

GenteJason Vogel, o melhor jornalista especializado em automóveis de sua geração, mudança. OOOO Repórter de economia do jornal O Globo, após transferência do caderno Carro &Etc, de sua edição, à área comercial. OOOO Transferência significa emprego, prêmio em meio à razia em redação e comercial. OOOO

quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

JLV E O BYD TANG

BYD lança SUV híbrido de grande autonomia



A BYD Company Ltd realiza uma Conferência Anual Internacional de Inovação Automotiva em Shenzhen, onde não apenas mostra o resultado de suas pesquisas técnicas, mas fica sabendo (e muitas vezes comprando) o resultado de pesquisas de uma série de trabalhos de outras empresas.


Apresentado no Salão do Automóvel de Beijin no ano passado, o BYD Tang já de início superou as vendas até mesmo do modelo Qin, quinto carro híbrido plug-in e o mais vendido no mundo. 

O nome Tang é uma homenagem histórica à dinastia Tan, a mais próspera e todas as grandes dinastias chinesas.
Sua plataforma é chamada de 5-4-2, significando no mercado chinês aceleração de 0 a 100 km/h em menos de cinco segundos, tração nas quatro rodas e consumo médio de 2 litros por 100 km, a melhor autonomia da categoria.


Através desta plataforma a BYD promete superar as limitações dos SUVs e dos híbridos plug-in atuais (PHEV) e praticamente redefinir essas categorias no mercado.
Juntamente com o Tang dois outros modelos de SUV foram apresentados durante a conferência para lançamento em breve: o BYD Song, um SUV de tamanho médio e o BYD Yuan, um compacto. 


No BRasil, entre 2014 e 2017, a BYD prevê investir US$ 400 milhões em três novas instalações. Neste ano a primeira será inaugurada em Campinas, SP, para abrigar o centro de pesquisas e desenvolvimento (P&D), onde serão feitos protótipos de veículos, baterias recarregáveis, painéis solares e ônibus elétricos. As outras duas serão abertas entre 2016 e 2017 e farão chassis de ônibus elétricos e células de baterias.
Para mais informações, a marca cordialmente pede que os interessados a visitem em www.byd.com ou www.facebook.com/bydcompany. 





JOSÉ LUIZ VIEIRA - WWW.TECHTALK.COM.BR

MGB ROADSTER COM V8 SMALL BLOCK FORD

Nos anos 60 não foi só o Cobra a misturar um motor americano com uma carroçaria inglesa. O antigo grupo Rootes, na época dono demarcas como Hillman, Humber e Sunbeam, bolou um carro com shelby que casava o Sunbeam Alpine roadster com o V8 small block Ford 260 V8. Este MG foi montado com um 289 Ford para trucidar os Alpine. Uma caixa de Mustang, uma grande calçadeira para ajeitar o V8 no vão do motor e um diferencial reforçado deu nisso aí embaixo: um belíssimo carro.



CARTOON CARS...







MUSEU BMW EM MUNICH

TUDO DE BOM QUE AA BMW FEZ NOS ULTIMO 90 ANOS ESTÁ AQUI, INCLUSIVE MEU FETICHE PARTICULAR QUE SE DIVIDE EM DOIS CARROS: O M1 E O Z1. BOM., TAAMBÉM TEM O 328 E36 ... UMA CAIXA DE BRINQUEDOS! UM SOBERBO DOCUMENTÁRIO E UM PRÉDIO INCRIVELMENTE CLEAN. ENJOY!

JLV E O CHEVROLET BOLT


Chevrolet Bolt
O Chevrolet Bolt é um carro conceito que deve estar em mercado dentro de dois anos. A GM diz que ele faz 200 milhas (320 km) com uma só carga completa de suas baterias, coisa que até agora só o três vezes mais caro Tesla californiano parece ser capaz de fazer. O Bolt foi mostrado juntamente com o Volt híbrido elétrico no Salão de Detroit.

O Volt híbrido gasolina-elétrico, quando foi mostrado como carro conceito em 2007, conseguia fazer até 60 km só com suas baterias e custava US$ 40 mil, mesmo levando-se em conta os US$ 7.500 de crédito federal. Os US$ 30 mil do Bolt é o preço comum de um carro novo americano.
Tecnicamente, o Bolt é um carro conceito, mas a GM já deixou bastante claro ao mercado e ao governo que ele está marcado para produção em 2017, com vantagens como cinco lugares em vezes de quatro e 80 km de alcance só elétrico em vez de 60. 

segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

A PICAPE DE NEVE DO KEN BLOCK E O CHEVY DO BAJA 1000


Ken Block's RaptorTRAX Is A Snow-Murdering SuperTruck



BALLISTIC BOB BALDWIN FAZ E ACONTECE NAS RUAAS DE ENSENADA, ME XICO, AI TERMINA A CORRIDAA NO DESERTO, QUE DIZEM SEPARA OS HOENS DOS GAROTOS. A PICAPE TEM 800 CV E METROSS DE CURSO DE SUSPENSÃO PARA DAR SALYOS ESPETACULARES. ESSE VÍDEO FOI UMA APOSTA DE QUEM CHEGARIA PRIMEIRO À PRAIA, SENDO QUE O SEGUNDO É MULHER DO PADRE...

O WAZE INCOMODA....

Xerifes dos EUA pedem que Waze desligue função que mostra blitz policial

Do UOL, em São Paulo 26/01/201512h14
Xerifes dos Estados Unidos estão fazendo uma campanha para que o Google, dono do aplicativo de GPS colaborativo Waze, desligue a função que mostra quando há policiais ou blitze por perto. Eles argumentam que essa função do aplicativo coloca a vida deles em risco, pois pessoas mal-intencionadas podem localizá-los facilmente e até matá-los. As informações são da agência de notícias AP.
Apesar de não haver nenhum tipo de ocorrência de ataques policiais realizados pela localização do Waze, Sergio Kopelev, vice-xerife de um condado no sul da Califórnia, disse ser uma questão de tempo para que criminosos usem esse recurso para atacá-los
No Waze, os usuários podem informar quando há carros de polícia "visíveis" ou "escondidos" em determinada localidade. Um ícone de polícia é inserido no mapa, mas não há detalhes se os oficiais estão lá para fazer teste de embriaguez, se estão monitorando a velocidade dos motoristas ou se estão, simplesmente, estacionados em um local para almoçar.
Julie Mossler, porta-voz do Waze, disse que a empresa pensa constantemente em medidas de segurança. Além disso, informou que o aplicativo cede informações ao Departamento de Polícia de Nova York. "Esse relacionamento [com a polícia] mantém cidadãos seguros, ajuda no atendimento a emergências e a aliviar o tráfego", disse.
O xerife Mike Brown, presidente da Associação Nacional dos Xerifes, disse que a função de "monitoramento da polícia", como ela chama o recurso, representa um perigo para o cumprimento da lei.
"A comunidade policial precisa coordenar um esforço para que o Google [dono do Waze] haja com responsabilidade e remova esse recurso, antes que ocorra algo pior", disse Brown.
Em comparação, Nuala O'Connor, presidente do Centro de Democracia e Tecnologia, um grupo que defende liberdades civis, disse que não considera apropriado o Waze remover esse recurso.
"Não acho legítimo tirar um recurso alimentado pelos próprios usuários, usando como justificativa que ele dificulta o cumprimento das leis", afirmou. O que mais preocupa Nuala, diz, é o tanto de informação que o Waze compartilha com órgãos públicos, pois o programa monitora constantemente a localização das pessoas.

"
Alguém acredita nessa conversa pra boi dormir?

- FBI, NSA e CIA reclamam do Google e da Apple por aplicarem criptografia forte nos smartphones;
- Primeiro ministro inglês ameaça banir App's de comunicação com criptografia forte.
- Agora até a polícia está se metendo na liberdade de expressão do cidadão. Representantes da Lei deveriam zelar pelos direitos dos cidadãos e não reclamar deles.

Liberdade incomoda, e internet móvel dá muita liberdade... Isso é perigoso. Faz cidadão pensar, e depois que pensa, age...

DUELO: 911 TURBO X AVENTADOR


O SOM DA LARGADA É DE ARREPIAR...VEJA OS RESULTADOS NO FINAL DO VÍDEO: 10 SEGUNDOS NO QUARTO DE MILHA É NUMERO DE MOTO GRANDE, PARA GAROTOS CRESCIDOS...

domingo, 25 de janeiro de 2015

CAMINHÕES GIGANTES OFF ROAD

TRES ESTILOS DIFERENTES DE CAMINHÃO DUMPER OFF ROAD. TODOS TEM MAIS DE 4.000 CV, CARREGAM POR VOLTA DE 450 TONELADAS E ANDAM UNS 60 KM/H. A TRAÇÃO É DIESEL ELÉTRICA COM UM GERADOR NO MOTOR E MOTORES ELÉTRICOS NAS RODAS. ATENTE PARA O DETALHE QUE O MAIS MODERNO É O CHINÊS, QUE TEM DIREÇÃO NAS OITO RODAS:




MEGA TRUCKS



TRADICIONALMENTE OS MAIORES CAMINHÕES TRATORES FORAM FEITOS PARA TRANSPORTE MILITAR. ABAIXO TEMOS DOIS EXEMPLOS DE UM OSHKOSH AMERICANO E UM ZIL RUSSO, AMBOS 8X8. DEPOIS VEMOS O MAIOR RODOTREM DO MUNDO. COM UM KM DE COMPRIMENTO E MIL TONELADAS. ESSE RECORDE FOI ESTABELECIDO NA AUSTRÁLIA  COM 79 TRAILERS E UM TRATOR KENWORTH COM UM CUMMINS QSK 19 DE 750 CV. POR ULTIMO UM TRATOR DE CARGAS ESPECIAIS MARCA TRACOMAS DE 1.000 CV USADO NA FRANÇA.






sábado, 24 de janeiro de 2015

90 ANOS DE GM NO BRASIL

sEGUNDA FEIRA A GM TERÁ 9 ANOS DE BRASIL, TENDO COMEÇADO EM 1925:
video

DE CARRO POR AÍ COM O NASSER



Coluna 0415 21.Janeiro.2015 edita@rnasser.com.br

Junho, 24, renascimento da Alfa Romeo

Alfa Romeo marcou esta data para renascimento, coincidindo com o centésimo 
quinto aniversário da fundação da marca. Nela apresentará novo sedã 4 portas 
com tração traseira, base para nova e prolífica família – sedãs compacto, médio, 
grande, savs – Sport Athletic Vehicle -, e um esportivo. Nome indefinido, tratado 
como Projeto 952, referido como Giulia, mítico artífice do crescimento da marca 
nos anos ’60. Vendas no quarto trimestre – veja o quadro.
Nos últimos dias vazaram – ou foram vazadas – informações sobre motores: 
três, dianteiros longitudinais. Mais popular, gasolina, 4 cilindros, 2,0 litros de 
cilindrada, 16 válvulas, com abertura variada, injeção direta, e a novidade do 
cabeçote MultiAir, mágica exclusiva da Fiat oferecendo mais potência com
menor consumo e emissões, turbo.
Será o trator chefe da empresa, tratado como Global Medium Engine, com 
potências variando, de acordo com a aplicação, entre 180 a 330 cv – 180 cv 
para tal configuração mecânica parece pouco.
Outro quatro cilindros será diesel, possivelmente dentro do atual coquetel 
de custos e tecnologia, utilizando o mesmo bloco e componentes internos,
cilindrada em 2,2 litros, gerando potência entre 130 e 220 cv. Alfa colabora com 
a VM Motori, fábrica de motores diesel controlada pela Fiat, para implementar o 
recente V6 de 3,0 litros de deslocamento, capaz de rendimento mais esportivo. 
Os 275 cv originais já cresceram a 340 cv, - bela potência específica para um 
diesel -, mas tal cavalaria não tracionará o Projeto 952, apenas lançamentos 
futuros, o sav e um sedã grande, ambos com tração total, programados para 2016 e 2017
No total, entre 2015 e 2018 Alfa terá 8 modelos – e sairá da faixa dos sub 
compactos, onde hoje está com o MiTo.
Topo da gama, motor V6 3.0 desenvolvido pela Ferrari para seus automóveis 
e Maserati, foi reformulado, com cilindrada reduzida a 2,9 litros, mantidos os 
dois turbo alimentadores, produzindo 480 cv – 520 para a versão GTA. Existirão, 
ainda, versões com maior potência e tração total.
O automóvel quer marcar o retorno da Alfa à competição de mercado, indo 
das 73 mil unidades vendidas em 2013 para 400 mil pretendidas em 2018, 
justificando a teimosia e o bate pé em continuar com a marca, enfrentar 
propostas de aquisição pela Volkswagen, manter-se no mercado com 
dois hatches, o MiTo e Giulietta, fazer muitas notícias e vendas artesanais com o 
esportivo 4C, e aplicar US$ 5B no renascimento.
Como tamanho, o 952/Giulia será pouco superior a BMW 3, Audi A3, Mercedes 
C. Talvez assemelhado ao novo Jaguar XE – 4,6m de comprimento.
Brasil
Dos poucos mercados onde não está presente, a Alfa retornará.
Na Argentina mantém-se e lá tem encomendas para 7 unidades do 4C, o 
esportivo que alimenta iniciativas de mídia.
---------------------------------------------------------------------------------
Alfa 952/Giulia em projeção por Thorsten-Krisch

50 ANOS DE MUSTANG


sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

O DE DION BOUTON 1886

O Conde Albert De Dion foi m dos pioneiros do automóvel, tão desacreditado nos fins do século 19 que sua família tentou interditá-lo por ser pródigo com o dinheiro dele próprio. No final do século ele se associou com Georges Bouton e Émile Trepardoux para fazer carros a vapor, a especialidade de Trepaardoux. Foi ái que fizeram seu produto pioneiro apelidada de "La Marquise" - a marquesa -  que chegava à assustadora velocidade de 60 km/h. Só que levava mais de uma hora acumulando pressão na caldeira para se mover, como quase todos os carros a vapor. Depois disso Trepardoux deixou a sociedade e os dois sócios remanescentes começaram a fabricar um conjunto motriz confiável. isso ajudou a difundir sua marca na França do alvorecer do século 20 . bem como ser o caldo de cultura de dezenas de marcas que usavam aa mecanica De Dion Bouton

UMA CORVETTE A TURBINA DE HELICÓPTERO


Nos anos 60 Andy Granatelli era o dono da fábrica de aditivos STP, uma marca internacionalmente conhecida. Para difundir ainda mais a marca e satisfazer seu espírito esportivo Andy montou com seu filho Vince uma equipe de corridas  em ovais, uma categoria , hoje conhecida como Fórmula Indy, que era p´popularíssima nos USA, como é até hoje. O carro era um avião com sua turbina Pratt&whitney de helicóptero. Quando foi proibido pelo USAC Granatelli bolou então uma Corvette a turbina por ser o único carro de rua com o vão do motor grande o suficiente para a bela planta motriz que tem uma marcha lenta de 37.000 RPM e desenvolve 880 CV. Esse carro existe até hoje. como se vê no vídeo abaixo:

VIAA AUTOBLOG USA