terça-feira, 30 de setembro de 2014

Mercedes-AMG GT, feito a mão para pilotos


Há algumas semanas a Mercedes-Benz lançou o 2º superesportivo da Mercedes-AMG, o GT, e ele chegou trazendo inovações perante os concorrentes, com o “hot inside V”, e promessa de ser um superesportivo puro e voltado para devotos da Nossa Senhora da Combustão Interna.

Claro que, por se tratar de uma Mercedes, o GT não é uma cadeira elétrica, ou melhor, ele pode ser uma se você desejar. Bastam alguns comandos para dar folga aos duendes verdes que controlam toda a eletrônica embarcada, que evita que o dono desavisado não se mate, e você poderá sentir a pureza do torque, o som afinado do escapamento (sim você pode ajustar o belo som que o GT produz) e a adrenalina correr pelas veias.

A Luz no fim do túnel


Dirigir a noite para alguns é uma tarefa bem desconfortável. Durante anos motoristas buscaram diferentes soluções para melhorar a visibilidade do seu trajeto, desde óculos coloridos a lâmpadas mais potentes e relês nos faróis. Não podemos negar que algumas dessas soluções trouxeram bons resultados, porem com um preço alto a ser pago (quem nunca ficou cego na estrada porque um gênio instalou xênon num farol sem projetor?!?).

Durante anos, a solução para aqueles que dirigiam a noite em vias não muito iluminadas era a utilização da receita relês duplos + lâmpadas mais potentes. Essa receita até trazia algum resultado positivo, porém exigia alterações na parte elétrica do veiculo e, ao longo do tempo, danificava a lente dos faróis devido ao alto índice de calor gerado. Visando esse público alvo a OSRAM lançou um produto que será a solução para aqueles que desejam mais luz na sua vida.

Produção do Novo Jetta no Brasil


A Volkswagen do Brasil acaba de anunciar a produção nacional do Novo Jetta, na fábrica Anchieta, em São Bernardo do Campo (SP). A produção nacional do modelo vai complementar a importação atual do México, para que a marca possa atender à demanda do modelo no Brasil. O montante investido para as adequações na linha faz parte dos R$ 10 bilhões que a empresa vai investir no País até 2018.

Depois do up! na fábrica de Taubaté (SP), do anúncio da produção nacional do Novo Golf na fábrica de São José dos Pinhais (PR) e do lançamento da família global de motores EA211 o Novo Jetta será o terceiro modelo mundial a ser produzido no Brasil e demonstra o crescimento sustentável e qualitativo da empresa e sua linha de produtos no Brasil.

domingo, 28 de setembro de 2014

Combata hoje o câncer como um cavalheiro


Começa daqui a pouco, às 10h, em São Paulo, Curitiba, Florianópolis, Londrina e Porto Alegre um grande evento mundial em prol da cura do câncer de próstata: o “Distinguished Gentleman’s Ride” (DGR), uma ação global fundada em 2012 na Austrália e que, em 2014, vai acontecer simultaneamente em 220 cidades de todo o planeta.

O evento vai reunir cerca de 20.000 motociclistas pilotando suas motocicletas clássicas de todas as marcas e vestindo trajes elegantes – compondo um visual bem original e divertido.

sábado, 27 de setembro de 2014

Moto inglesa renasce com tempero italiano por Jason Vogel

Criada em 1899, a Matchless fez sucesso entre os anos 20 e 50 mas não resistiu ao ataque das japonesas. Agora, um empresário quer ressuscitar a marca



Reviver marcas de motocicletas há muito extintas virou moda e a bola da vez é a histórica fábrica inglesa Matchless.

Fundada em 1899, a empresa teve boa projeção mundial com suas motos leves e possantes. Com a decadência da indústria britânica e a ascenção das confiáveis motos japonesas, a Matchless fechou as portas em 1966.

Alta Roda com Fernando Calmon


GUERRA DOS ADITIVOS

Política de combustíveis no Brasil continua errática e com alto grau de improvisação. Exemplo mais recente é a lei já aprovada que autoriza o aumento do teor de etanol anidro de 25% para 27,5%, desde que testes comprovem viabilidade técnica. Uma lei condicional! Não seria mais lógico primeiro fazer todas as avaliações e, se aprovada a nova mistura, então encaminhar projeto de lei ao Congresso Nacional? Na realidade, apenas jogada eleitoreira.

Motores modernos têm condição de lidar com esse aumento de mistura sem problema de partida a frio ou falhas de aceleração. Os testes conduzidos pela Petrobras deverão indicar isso, mas ninguém deu atenção aos motores antigos com carburador ou injeções de combustível de primeira geração. Além disso, o consumo pode aumentar marginalmente. A gasolina padrão para limites de emissões e metas de eficiência energética previstas no Inovar-Auto contém apenas 22% de etanol. Com 25% o motorista já perde um pouco em consumo e com 27,5%, mais ainda.

O governo tem feito trapalhadas. Em meados do ano resolveu estimular a melhoria relativa de consumo/autonomia entre etanol e gasolina em motores flex porque a indústria se acomodou e hoje mal consegue manter a paridade esperada de 70%. A nova lei sinaliza apenas que “poderá” haver abatimento de imposto para veículos que alcançarem relação acima de 75%.

sexta-feira, 26 de setembro de 2014

De Carro por Aí com o Nasser 2014


Coluna 3914     24.Setembro.2014


Híbrido, tímido

Demorou, mas o Governo Federal atendeu a parte das sugestões da Anfavea, associação dos fabricantes de veículos, no estabelecer política para os carros híbridos. Classificou-os, quinta feira passada, pela CAMEX, Câmara de Comércio Exterior, como Ex tarifário até o final do próximo ano.
Na prática significa deixar de pagar os inexplicáveis 35% do Imposto de Importação. Pela exceção legal, o valor dos gravames alfandegários poderão variar de acordo com o humor oficial. Atualmente ficarão isentos deste imposto os veículos híbridos a ser montados aqui, importados em método CKD, totalmente desmontados.
Na beirada da legislação, uma regra: imposto varia de acordo com os misteriosos parâmetros do Inmetro para medição da eficiência energética: limite de isenção é 1,68 mega Joule/km. Daí, até 2,07 mJ/km pagará 2% de II.
Veículos prontos, sem previsão de montagem local, tabela diferente: 2% de II até 1,10 mJ/km; 4% até 1,68, e 7% daí a 2,07.

Curiosidade

Pomposo comunicado do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior trata a redução do imposto alfandegário, como “parte das medidas necessárias para a criação de um mercado e atração de investimentos para a produção nacional de veículos que usem novas tecnologias de propulsão“.
Entretanto, visto o mercado e os híbridos nele existentes, a decisão parece enquadrar-se em conceito distante da aritmética e da engenharia, ao contemplar apenas os híbridos sem recarga por tomadas de parede. Ou seja, os dotados de motor a gasolina capaz de mover o veículo e acionar gerador de energia para baterias ou outros motores.
Os outros, híbridos dependentes de recarga em tomadas elétricas, foram barrados no baile do incentivo e, pelo texto, estão fora do parâmetro definido pelo Brasil em sua nova política de estado.
O receio de cobranças populares quanto à possibilidade de o carro híbrido da elite ser recarregado com a mesma energia utilizada pela ascendente Classe C em seus aparelhos de ar condicionado, impediu as facilidades, e os recarregáveis continuarão pagando 35% de Imposto de Importação.

A caminho

Dois veículos à venda no país se enquadram na categoria favorecida: Ford Fusion e Toyota Prius, de prometida produção com a criação de facilidades.
Fusion e Prius devem ter – espera-se –, proporcional redução de preços, pois dentro do cipoal tributário do país, todos os impostos são calculados sobre o valor apurado, que é o do veículo, frete, despesas de porto e os 35% do valor sobre o preço do veículo.


Roda-a-Roda

Ferrari, FCA – Como ficará a Ferrari, pós demissão de Luca De Montezemolo, após 23 anos à frente da empresa? Tudo e nada, por recente declaração de Sergio Marchionne, CEO da Fiat Chrysler Automobiles, FCA, e próximo da Ferrari.
Dúvida – Com mineirismo impregnado por suas mensais vindas ao Brasil, disse o CEO, “nada está incluído, e nada está excluído”, deixando especulações no ar sobre eventual venda da marca, avaliada em US$ 5B, pouco menos da metade da atual dívida do grupo. A Ferrari, por projeto do defenestrado Montezemolo, é extremamente rentável. Faz 12% dos lucros, vendendo apenas 0,16%.
Esforço – Dentre as medidas para afastar a inviabilidade, mesmo associada à chinesa Dongfeng e ao estado francês, a PSA criou nova marca de luxo, a DS. Primeiro conceito, o Divine, aparecerá no Salão de Paris, 2 de outubro.
Personalidade – Três veículos, anteriormente Citroëns, integram a nova marca. O Divine, criado especialmente, é prévia do caminho partindo das bases comuns de Citroën e Peugeot: sofisticação e design. Tem cristais Swarovski nos faróis, carroceria, interior. Motor conhecido, o 1.6 THT turbo, equipamento de Peugeots e Citroëns, porém 270 cv - mais de 100 cv relativamente às versões conhecidas. Estes motores com injeção direta e turbo são generosos.


Crise – Braço alemão da GM, a Opel reduzirá produção na Rússia, operando em um turno diário, e apenas 16 dias de funcionamento nos três meses finais do ano. Fábrica em St Petersburg produz Opel Astra e Chevrolet Cruze.
De volta – Na operação russa, em sociedade com a AvtoVaz, está o jipinho Niva.
Pioneiro – 2015 Mitsubishi inicia vender o primeiro híbrido 4x4 do mercado, o Outlander PHEV. Três motores. Um 2.0 ciclo Otto, 121 cv e dois eletrossíncronos, um em cada eixo, produzindo individualmente 80 cv. Luxuoso, seguro, premiado ao máximo no Euro NCAP, ANCAP e JNCAP. Preço indefinido - dólar, presidente, tudo influi.
Soma – Em termos de produto, melhor do mundo tecnológico: tecnologia do plug in – de ligar na parede – iMiEV; robustez e DNA de Pajero 4x4, e controle de tração e estabilidade do Lancer Evolution. Autonomia de 52 km, recarga completa em R$ 3,50 e consumo. Não se inclui na redução do ex tarifário contado acima.
Mercado – Ao constatar existir mais de 70% dos Porsches já fabricados, marca criou programa Porsche Classic, de treinamento à rede internacional de concessionárias para reparos, serviços e peças originais de época. É número muito grande de clientes para ficar fora da autorizadas. 
Mitsufiat – Por acordo entre matrizes Mitsubishi e a Fiat Chysler, Mitsubishi tailandesa produzirá versão do próximo modelo Triton, portando emblema Fiat. Com ele a antiga marca italiana quer presença em segmento onde não participa.
Como fica – Mitsubishi Motors do Brasil perguntada, respondeu por circular garantindo, o acordo não atinge o mercado brasileiro, onde a MMCB tem fábrica e direito exclusivo de distribuição e comercialização.
Fiatbishi – Inquirida, Fiat declarou não ter informação da parte prática, do como tal avença irá funcionar. O picape misto de Mitsubishi com Fiat não atrapalha os planos do Stradão – modelo maior que o líder Strada, contado pela Coluna semana passada, e 2º. Produto da fábrica em Goiana, Pe.
Nada disto – JAC repele boato circulando no meio, teorizando que a matriz chinesa ao tornar-se majoritária na construção de fábrica em Camaçari, Ba, teria peitado o governo federal condicionando implantação do projeto ao emprego exclusivo de mão de obra e equipamentos chineses.
Peugeot – Novos Peugeot terão mais apuro em tecnologia e conforto, deixando de competir nas partes baixas do mercado. Este definiu a mudança. Versão mais equipada do 208 vende 25% do segmento. Mais simples, apenas 6%. Ao público Peugeot significa refinamento, sem vez para simplificação.
Tapa – Toyota criou oportunidade para fazer notícia e tentar revitalizar o Etios. Contidas novidades na versão XLS: piscas nos retrovisores externos, novas cores branca e azul. Dentro, concessões ao motorista, como banco ajustável em altura, comando do vidro elétrico e Bluetooth.
Ajuste – Instrumentação continua no centro do painel, desconcentrando o motorista, e indicador de combustível agora é digital. Há versão superior, Platinum, com estofamento em couro, tela com GPS, som, câmera de ré e TV.
Acaba - É o último retoque. Próxima versão, por determinação superior, corrigirá as mal feitas adaptações de projeto para colocar direção à esquerda, deixando instrumentação e sistema de ventilação para direção à direita.


Ligeirim – Audi inspirou-se nos pit stops das corridas e racionalizou ações de assistência nos concessionários. Negócio prevê três primeiras revisões em até uma hora, e espaço confortável para espera. Trânsito nas cidades, e o atrapalho no vai e vem, definiu o programa. Por enquanto em S Paulo. Até o final do ano em Belo Horizonte, Rio de Janeiro e Curitiba.
Flex – Motor 1.6 THP da PSA, presente em Citroëns e Peugeot, flex. Com álcool produz 170 cv, contra 163 de origem. Demorou. Fácil fazer flex em motor turbo.
Motor – GM deu um tapa no picape S 10 marcando modelia 2015. Superficial mudança da cor do painel e das laterais. Novo engenho – nem tão novo, lançado nos EUA em 2011 – é L4, 16 válvulas, dois comandos variáveis para admissão e escape. Injeção direta, flex. Transmissão com 6 velocidades à frente.
Curiosidade – Importado, dados discrepam dos fornecidos pela matriz dos EUA. Lá, potência de 196 cv a 6.300 rpm e torque 18,5 m.kgf. Aqui diz potência idêntica, porém torque dispara: 26,3 m.kgf. A álcool 206 cv e 23,7 m.kgf. Nova linha propele o antigo L4 2.4 e 147 cv, anciliaria derivada do Monza, para a versão de entrada.
Game – Para lembrar-se líder e seguir um de seus slogans – a empresa que mais entende de rua no Brasil – Fiat criou jogo com dicas de boas maneiras, tecnologias e para evitar vacilos no trânsito. É o Vacilândia, jogo para smartphones e tablets. Em fiat.com.br/vacilaonao e filmes
Festa – MWM, fábrica de motores, e MAN, de caminhões e ônibus, festejam 40 anos de parceria. MWM fornece motores MaxxForce 3.0H, 4.3H, 4.8H Euro lll, 6.5H e 7.2H Euro III para exportação, e os MAN D08 Euro V (4 e 6 cilindros) ao mercado local e internacional, em caminhões e ônibus MAN.
Carol – Deixando a revista O Mecânico, onde foi repórter e editora, jornalista Carolina Vilanova tem novo veículo, o Portal Oficina News. Notícias diárias e semanais sobre transporte, oficinas, partes, manutenção. Veja em www.oficinanews.com.br.  Com orgulho a Coluna está lá.
Dilmou – Ante desvios de incontados milhões na Confederação Nacional do Transporte, e intimado a depor no Ministério Público, ex senador Clésio Andrade reassumiu a presidência, Dilmou e Lulou: nada sabe e abriu investigação interna.
Na cara - Pessoal ostensivo, moravam e dirigiam veículos incompatíveis com a renda. Principal suspeita ia trabalhar de Porsche Cayenne, parando na garagem da vaga presidencial.
Conjuntura – Brasileirada com um pé no exterior. Mais caro edifício de Miami, o One Thousand Museum, projeto da festejada arquiteta iraquiana Zaha Hadid, das 83 unidades, por nacionalidade, 28%, a maioria, vendida ao pessoal daqui. Apartamentos custam entre US$5M e US$ 15M.
No bolso – Pela não veiculação de publicidade no horário eleitoral gratuito, governo federal deixa de recolher quase R$ 900M. Pesquisa indica, apenas 1/3 dos eleitores o assiste, e destes, 10%, ou seja, 3% do universo, se valem das informações e promessas veiculadas para o voto. De gratuito nada tem. Bem administrado esse dinheiro seria muito útil às carências do país.
Re call – 675 caminhões Ford Cargo 2042 e 2842 chamados a revendas para troca de parafusos de fixação de travessas e componentes ao chassis. Jogo duro. Há perigo do caminhão se desmanchar nas ruas e estradas. Para saber mais, 0800 703 3673 ou www.ford.com.br.
Ford anda em má sequência de problemas de montagem em seus produtos.
Fiat – Em evento mais ameno, troca de óleo do câmbio, Fiat chama modelos Punto, Idea, Doblo Adventure, Bravo fabricados entre 1º de fevereiro de 2012 e 22 de fevereiro de 2014. Tens ? Confira 0800 707 1000 ou www.fiat.com.br.
Gente – Mario Guerreiro, português, jornalista, 56, promoção. OOOO Diretor na comunicação na matriz, será Vice Presidente da área da VW of America. OOOO Desafio. A marca quer crescer no importante mercado norte-americano em seu projeto de liderar a atividade. OOOO Michael Lange o substitui. OOOO Marcus Vinicius Aguiar, engenheiro, mineiro, ex Fiat, mudança. OOOO Diretor de Relações Institucionais, Governamentais e RSE da Renault. OOOO Christophe Musy, francês, engenheiro, novo diretor mundial de peças e serviços da PSA, sobre Peugeot e Citroën. Novos tempos. OOOO
----------------------------------------------------------------------------------

Corrida longa no Brasil começou com Mercedes

Mercedes-Benz Challenge, temporada própria com oito provas – próxima aos 19 de outubro, Curitiba -, utiliza automóveis da marca em categorias diferentes: os modelos C e os CLA, ambos com preparação AMG, a divisão esportiva da marca. Veículos iguais, preparação oficial e idêntica, a temporada se destaca pela qualidade dos pilotos e, bem organizada, provoca divulgação e agrega conceitos à imagem da Mercedes. Competitividade, valentia, rendimento. Os automóveis utilizam o motor de quatro cilindros mais potente do mundo, o 2.0, 4 cilindros, 16 válvulas, injeção e turbo. Tração nas 4 rodas e transmissão com 7 marchas.
Corridas fazem parte do DNA da marca. No Brasil sua apresentação se deu com a promoção das 24 Horas de Interlagos, primeira de tal duração no país e monomarca no mundo, disse a imprensa à época.


Representação da marca no Brasil, a carioca Distribuidores Unidos, no Rio de Janeiro, mais o Automóvel Clube do Estado de São Paulo organizaram a prova em Interlagos, então nosso único autódromo, com largada às 16h do dia 18 de agosto de 1951.
A Unidos disponibilizou 18 veículos da série 170, gasolina e diesel, escolhendo pilotos destacados no Rio, S Paulo e Porto Alegre. E teve uma dupla feminina, com unidade diesel. Darly Ribeiro e Juze Fittipaldi, mãe de Wilson e Emerson. Tempos distantes. A sede da empresa era no Rio de Janeiro e a Mercedes aproveitou a prova, a media horária e a resistência para promover o produto, convidando o público a vê-lo em revendedor na Praça da Bandeira, RJ.


quinta-feira, 25 de setembro de 2014

O voo do besouro por Jason Vogel

Fusca de 544cv disputará provas de rallycross


O New Beetle da década de 90 era apenas um carro retrô bonitinho. Aí resolveram que essa alegre joaninha deveria ser transformada em um escaravelho do diabo. Assim, a geração lançada em 2011 veio ao mundo com mais testosterona.

A novidade agora é que o besouro ganhou um ferrão realmente venenoso: é uma versão desenvolvida para rallycross.

Antes de descrever o carro, vale a explicação: rallycross é um tipo de corrida em circuito misto: tem asfalto liso, terra batida e saltos, mesclando características de corrida de pista, rali de velocidade e autocross.

Há diversos campeonatos de rallycross pelo mundo. O Fusca em questão foi projetado para substituir os VW Polo na equipe Andretti, que disputa o torneio GRC (sigla de Global Rallycross), organizado nos Estados Unidos.


Esse besouro enfrentará modelos como Ford Fiesta (carro do lider do campeonato, Nelson Piquet Jr.), Subaru WRX STi, Chevrolet Sonic, Citroën DS3 e Hyundai Veloster Turbo.

O ponto de partida é um monobloco de Fusca normal, feito em Puebla, no México. O motor é tranversal, dianteiro, de apenas 1,6 litro. Mas não se engane: graças a um turbocompressor gigante e a alguns truques, chega-se a incríveis 544cv! É potência equivalente à dos monstruosos (e reverenciados) carros do Grupo B que disputavam o mundial de rally na década de 80.

Outro ponto importante é que esse besourão tem tração nas quatro rodas. Com isso, a suspensão traseira teve que ser modificada, deixando de ser multibraço e adotando o padrão McPherson.


Agora imagine fazer um bom acerto tanto para velocidade no asfalto quanto para grandes saltos (sim, os besouros podem voar).

A “pele” externa da carroceria continua a ser de aço, mas para-choques diferentes, enormes aerofólios traseiros e várias aberturas para entradas (e saídas) de ar foram feitas.



No fim, o Fusca anabolizado pesa 1.210 quilos e pode fazer o 0-100 em 2,2s. A máxima não importa tanto no rallycross.



Os antecessores espirituais

Ralis na Europa e ‘penicos atômicos’ no Brasil

O Beetle atual raramente é usado em competições. Já o Fusca original, com motor traseiro, sempre marcou presença em ralis e corridas, principalmente nas décadas de 50 e 70.

Versatilidade, robustez, preço baixo e facilidade de preparação explicam o fato de um carrinho popular ter feito tanto sucesso no automobilismo.

O apogeu da participação do Fusca em provas na Europa aconteceu quando a Porsche Salzburg (divisão austríaca da marca de esportivos) decidiu deixar as corridas em autódromos e investir em ralis.

quarta-feira, 24 de setembro de 2014

Edição Especial do Evoque SW1 com Head-up Display



O modelo é o primeiro de uma série a ser inspirado na bandeira do Reino Unido e traz detalhes em vermelho, azul e branco.

Desde seu lançamento em 2011, o mais compacto dos Range Rover acumula mais de 161 prêmios ao redor do mundo e mais de 340 mil unidades comercializadas em 170 países de todos os continentes.

“O Evoque é um veículo que dá uma reinterpretação do design da linha Range Rover. Essa nova edição especial representa uma celebração ao Reino Unido, uma vez que o veículo foi projetado e produzido no país e é um grande sucesso da indústria automobilística em todo o mundo”, afirma Gerry McGovern, diretor e chefe de design da Land Rover.

A versão colorida estará em exposição no espaço da Jaguar Land Rover durante o Salão de Paris, que será aberto ao público a partir do dia 4 de Outubro.

segunda-feira, 22 de setembro de 2014

CLA, o cupê da Mercedes-Benz agora no Brasil



O Mercedes-Benz CLA, primeiro cupê de quatro portas compacto na história da marca, passa a ser oferecido no Brasil em três novas versões: CLA 200 Urban, CLA 200 Vision e CLA 250 Sport 4MATIC.

Todos os três modelos contam com faróis bi-xenônio, LEDs para as luzes de condução diurna e rodas de liga leve 18 polegadas. Nas versões CLA 200 Vision e CLA 250 Sport, o teto solar panorâmico com grande área envidraçada reforça o estilo jovem do automóvel.

domingo, 21 de setembro de 2014

O Novo City 2015 no MP!


Entre os destaques da linha estão as inovações tecnológicas, como o inédito ar-condicionado digital com comandos touch screen e acabamento com detalhes cromados e em black piano no painel.

sábado, 20 de setembro de 2014

As vidas do gato - por Jason Vogel

Levamos o Jaguar F-Type R a um encontro com seu inspirador, o E-Type cupê

Por Jason Vogel e Fotos por Diego Speratti


Estou ao volante de um carro trivial, no trânsito da Barra da Tijuca, e sigo de perto o Jaguar F-Type R. Acredite: esta é uma das maneiras mais interessantes de se fruir o superesportivo inglês que chegou recentemente ao Brasil.

Noite dos Clubes Irmãos Chevrolet


Valores Cobrados:

·         *Carro Visitante: R$ 38,00
·          
·         *Carro Placa Preta: R$ 25,00
·          
·         *Moto: R$ 20,00
·          
·         Passageiro: R$ 7,00
·          
·         Pedestre: R$ 20,00
·          
·         Meia: R$ 10,00
*Ingresso do veículo da direito a entrada do motorista.

Crianças até 06 anos não pagam. Meia Entrada para Crianças de 07 a 12 anos, pessoas com necessidades especiais de locomoção e idosos.
Maiores informações: www.carz.com.br/collection 

GLA 200, a busca da juventude pela Mercedes-Benz


O GLA, quinto SUV da Mercedes-Benz chega para ampliar ainda mais sua participação no mercado premium. Inicialmente importado, o GLA será produzido no Brasil, na fábrica, em construção, da Mercedes-Benz em Iracemápolis – SP. A expectativa é de que o modelo fascine, não só os tradicionais clientes da marca, como um público mais jovem.

A razão que explica essa expectativa é verificada no design, no acabamento, nas funcionalidades tecnológicas, nos preços (do carro e das revisões), nas formas de pagamento e na divulgação do GLA.

sexta-feira, 19 de setembro de 2014

O bunker dos Alpine por Jason Vogel

Uma incrível coleção escondida no subterrâneo de um quintal belga.

Jean Rédélé, o criador dos esportivos franceses Alpine, morreu em 2007 deixando muitos órfãos. O mais excêntrico deles mora no interior da Bélgica. Ludo Van Orshaegen é um técnico em eletrônica que gosta dos Alpine tão profundamente que construiu um bunker para guardá-los.

Em 1976, Ludo era um garoto de 22 anos que amava o Alpine A110. Conseguiu comprar um, usado, e curtiu seu sonho por um ano, até sofrer um acidente que destruiu o carro.

O tempo passou, veio o casamento e a família. A paixão pela marca de Dieppe teve que esperar. Quando ajeitou a vida, Ludo saiu em busca de um novo Alpine. Depois comprou outro, outro e mais outro... ele sempre jurava para a esposa Rita que seria o último da coleção.

Ludo parece um sujeito bem normal, que gosta de cerveja e se veste de forma simples. Curiosamente, não liga para automóveis em geral - sua paixão é devotada exclusivamente aos Alpine, esportivos feitos de 1955 a 1995, sempre com motor Renault traseiro e carroceria de fibra de vidro.

- São as linhas da carroceria que me atraem. Além disso, é um carro muito gostoso de dirigir. Um kart! - explica.

Inicialmente, os Alpine ficavam guardados em um hangar de metal e tinham o funcionamento afetado pelo inverno belga, de temperaturas em torno de 3°C. Os motores não pegavam e os freios emperravam.

Há cinco anos, começou a construção do bunker no quintal. De fora, o que se vê é apenas um cogumelo de fibra de vidro - parece uma casinhola para guardar apetrechos de jardinagem.


Entrando no cogumelo, Ludo mexe em uns botões e o chão de madeira começa a baixar. Descobrimos que estamos num elevador de carros, que nos leva a uma segunda câmara, escura e vazia. As paredes são de tijolos de cimento, sem acabamento. Parece que é tudo o que há para ver. Ludo vai até o fim de um corredor, tira umas tábuas e revela que há mais um nível subterrâneo.